20 anos depois, tragédia do submarino Kursk ainda é assunto ‘tabu’ em Moscou

Naufrágio do submarino nuclear deixou 118 mortos e foi a primeira grande crise do governo Vladimir Putin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Considerado o pior desastre naval da Rússia moderna, a catástrofe com o submarino nuclear Kursk, que completa 20 anos nesta quarta (12), é lembrada com discrição pelo governo russo.

Lançado para exercícios navais no Mar de Barents, exstremo norte da Rússia, o submarino Kursk implodiu em 12 de agosto de 2000 após explosão de um dos seus torpedos a bordo.

A maioria dos 118 tripulantes morreu na hora. Os 23 sobreviventes, que passaram nove dias no fundo do mar em um dos compartimentos da embarcação, aguardaram um resgate que nunca chegou.

Envolta em mistério, catástrofe de Kursk ainda é omitida por Putin 20 anos depois
Putin se encontra com um dos familiares das vítimas do submarino Kursk, em 22 de agosto de 2000, em Roslyakovo (Foto: WikiCommons/Kremlin)

Apenas em 21 de agosto uma equipe de mergulhadores britânicos e noruegueses acessou o submarino e encontrou toda a tripulação morta.

À época, a Marinha russa demorou a reconhecer a catástrofe em público e a aceitar ajuda de outros países. Em férias no Mar Negro, o presidente russo Vladimir Putin manteve-se em silêncio. O mandatário só retornou a Moscou uma semana depois do acidente.

Putin, que teve o primeiro mandato marcado pelo afundamento do submarino, não se manifestou publicamente sobre a efeméride. O russo havia tomado posse pela primeira vez em 7 de maio daquele ano, após um período de cinco meses como presidente em exercício.

Envolta em mistério, catástrofe de Kursk ainda é omitida por Putin 20 anos depois
Submarino Kursk após explosão em Roslyakovo, 2000 (Foto: WikiCommons)

História apagada

Quase que apagada da memória do país, a tragédia será lembrada oficialmente com pequenas cerimônias em sete cidades russas, informou a estação Radio Free Europe.

Em 2015, um levantamento feito pelo instituto de pesquisa Levada Center apontou que o percentual da população que tinha má avaliação da resposta do governo, em 2000, ao acidente, havia caído pela metade.

O responsável pelo estudo Lev Gudkov, atribuiu o fenômeno ao pouco resgate da memória do acidente. Houve uma política deliberada de fazert com que as pessoas esquecessem do quer aconteceu, diz Gudkov.

“A censura na mídia estatal bloqueou informações sobre o assunto. A discussão continua apenas nas redes sociais”, afirmou.

Em 2010, no 10º aniversário da tragédia, um novo silêncio. Nem Putin, como primeiro-ministro, e nem o então presidente Dmitry Medvedev, fizeram qualquer menção ao episódio.

Segundo ele, mesmo que a discussão tenha continuado nas redes sociais, o silenciamento da TV estatal foi mais forte, já que continua sendo a principal fonte de notícias da Rússia.

À época, as emissoras russas Canal Um e NTV chegaram a comparar a má conduta do governo às tentativas de ocultamento da situação após o desastre nuclear de Chernobyl, em 1986. Hoje, essas empresas são controladas pelo governo e teriam uma postura muito menos crítica.

Tags: