Rússia prende mais duas pessoas ligadas a Navalny sob a acusação de extremismo

Ex-chefes de escritórios eleitorais do opositor haviam se recusado a deixar o país e agora correm o risco de pegar longas penas de prisão
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Mais duas pessoas ligadas ao oposicionista russo Alexei Navalny foram presas na Rússia nesta terça-feira (28). Pesa contra Kseniya Fadeyeva e Zakhar Sarapulov a acusação de extremismo, que pode render longas penas de prisão, de acordo com a agência Reuters.

Fadeyeva era a chefe do escritório eleitoral de Navalny na cidade siberiana de Tomsk, enquanto Sarapulov exercia o mesmo cargo em Irkutsk, também na Sibéria. Segundo Leonid Volkov, que é próximo do oposicionista, ambos haviam se recusado a deixar a Rússia, como fizeram muitos colegas a fim de evitar a prisão.

Vadim Ostanin, Vadim Butakov e Andrei Gorodetsky foram detidos na mesma ação e liberados a seguir, enquanto a dupla segue em poder das autoridades.

Rússia prende mais dois aliados de Alexei Navalny sob a acusação de extremismo
O líder da oposição Alexei Navalny, em manifestação contrária ao Kremlin, em Moscou, outubro de 2013 (Foto: Divulgação/Vladimir Varfolomeev)

No início de dezembro, um tribunal do distrito de Simonovsky havia alterado a sentença imposta a Lyubov Sobol, umas das mais importantes aliadas de Navalny. A pena de um ano com sentença suspensa, que estava em vigor, foi convertida em pena de prisão efetiva, segundo o advogado Vladimir Voronin.

Em agosto, Sobol foi condenada a um ano e meio de prisão domiciliar sob a acusação de incitar pessoas a violarem os protocolos contra a Covid-19. A infração, que as autoridades classificam como “caso sanitário”, teria sido cometida nos protestos em massa de janeiro que pediam a libertação de Navalny. Pouco depois de sentenciada, ela deixou o país, sem revelar onde vive atualmente.

O advogado Ivan Pavlov, defensor de Navalny, é outro que deixou a Rússia em meio às acusações que sofre do governo e vive atualmente na Geórgia. Já Kira Yarmysh, porta-voz do político, fugiu para a Finlândia. 

Por que isso importa?

Navalny ganhou destaque ao organizar manifestações e concorrer a cargos públicos na Rússia. A principal plataforma do oposicionista é o combate à corrupção no governo de Vladimir Putin, em virtude da qual ele uma cobra profunda reforma na estrutura política do país.

Em agosto de 2020, durante viagem à Sibéria, Navalny foi envenenado e passou meses se recuperando em Berlim. Voltou a Moscou em janeiro de 2021 e foi detido ainda no aeroporto. Em fevereiro, foi julgado e condenado a dois anos e meio de prisão por violar uma sentença suspensa de 2014, quando foi acusado de fraude. Promotores alegaram que ele não se apresentou regularmente à polícia em 2020, justamente quando estava em coma pela dose tóxica.

Encarcerado em uma colônia penal de alta segurança, ele chegou a fazer uma greve de fome de 23 dias em abril, para protestar contra a falta de atendimento médico. Em junho de 2021, um tribunal russo proibiu os escritórios regionais de Navalny e sua Fundação Anticorrupção (FBK) de funcionarem, classificando-as como “extremistas”.

Em agosto, a Justiça russa abriu uma nova acusação criminal contra o oposicionista, o que poder ampliar a sentença de prisão dele em três anos. Ele foi acusado de “incentivar cidadãos a cometerem atos ilegais”, por meio da Fundação Anticorrupção (FBK) que ele criou. Mais recentemente, em setembro, uma terceira acusação contra, por “extremismo”, ameaça estender o encarceramento por até uma década.

Caso seja condenado em alguma das novas acusações, Navalny será mantido sob custódia no mínimo até o fim da próxima eleição presidencial, em 2024, quando chega ao fim o atual mandato de seis anos de Vladimir Putin no Kremlin.

Tags: