Exportações latino-americanas têm pior desempenho em 80 anos, aponta Cepal

Único setor que apresentou patamar ligeiramente positivo foi o agrícola, com alta de 0,9% entre janeiro e maio
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

por Julia Possa

As exportações da América Latina terão em 2020 seu pior desempenho em 80 anos. A queda foi a pior entre todos os continentes, de 23%. A situação foi classificada pela Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), como um “colapso” em coletiva nesta quinta (6).

De acordo com Alicia Bárcena, secretária-executiva da organização, o comércio latino-americano já registrava contração em 2019, mas a pandemia acentuou o problema.

Os mais atingidos foram Venezuela, que vive gravíssima crise econômica, e Cuba, embargada pelos EUA há décadas, com -65% e -30%, respectivamente. O Peru viu seu volume de exportações reduzir em 25%, e o Brasil, em 7%.

Apenas quatro países sul-americanos tiveram aumento nesse setor, embora pequeno: Costa Rica, Guatemala, Honduras e Nicarágua, este último com 14%, o maior crescimento.

“Isso se explica pela combinação de vendas mais altas de suprimentos médicos e equipamentos de proteção individual, sobretudo máscaras”, explicou Bárcena. “Os produtos agrícolas não tiveram demanda tão afetada pela pandemia, o que mostra uma relativa resiliência do comércio interno.”

Produtos agrícolas tiveram aumento de 0,9%. Na foto, agricultor colombiano em safra de 2011 (Foto: CIAT/Neil Palmer/Flickr)

Os produtos agrícolas tiveram um tímido crescimento nas exportações, de 0,9%. Já commodities como o petróleo e gás natural, cujos preços despencaram desde o início da pandemia, enfrentam queda após forte queda na demanda por combustíveis.

Importação e comércio interregional

Embora o comércio já apresentasse desaceleração em 2019, houve uma acentuação severa dessa tendência entre janeiro e maio deste ano.

Na América Latina, a queda acumulada no comércio é de 27%, 10 pontos percentuais acima da média global.

Nas importações, os resultados também desapontam. Com redução de 25%, esse é o pior desempenho em 40 anos nas importações latino-americanas.

Novamente, Venezuela e Cuba são os mais afetados, com 45% e 41%, respectivamente. A Bolívia aparece em seguida, com redução de 38% nos produtos vindos de fora.

A importação de itens da indústria textil caiu 35% (Foto: Flickr/Stephane333)

A queda no comércio interregional também preocupa. Em relação a 2019, as trocas comerciais dentro do Mercosul caíram dois pontos porcentuais – de 11% para 9%.

O colapso atinge com mais força as manufaturas. Têxteis, confecções e calçados tiveram seu comércio reduzido em 35% e, enquanto veículos registraram queda de 55%.

Setor aéreo

Quase todo o tráfego aéreo desapareceu: 99% dos voos deixaram de circular entre janeiro e maio. O transporte aéreo de cargas também teve queda da ordem de 62%.

A não circulação de passageiros causou um forte desfalque no setor de turismo, em especial no Caribe. No período, o volume de viagens caiu pela metade. “É muito preocupante, pois os países caribenhos dependem quase que só do turismo”, ressaltou Bárcena.

Entre janeiro e maio de 2020, tráfego aéreo latino-americano caiu 99% (Foto: Sean MacEntee/Flickr)

Com o impacto no PIB (Produto Interno Bruto), a população sente os efeitos: o Caribe teve uma redução de 8% no PIB, e a taxa de empregabilidade da região caiu em -9%.

Para amortecer a derrubada, a Cepal sugere ações que permitam reduzir custos internos de logística, além da geração de serviços com maior valor agregado. “Medidas drásticas são mais que essenciais agora”, disse a representante do órgão das Nações Unidas.

Tags: