O que é o OpenRAN e como ele pode aliviar a dependência de operadoras estrangeiras

Saiba mais sobre como o futuro da internet será protagonizado – e democratizado – pelo 5G e redes móveis abertas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Por André Amaral

Imagine uma internet que utilize tecnologias abertas capazes de se conectar e interagir entre si, independentemente do provedor de acesso. Esse é o princípio do OpenRAN, um movimento que busca democratizar o acesso ao mundo digital e representaria, por meio de um intercâmbio operacional de equipamentos – como torres e antenas de transmissão compartilhadas – uma libertação em relação aos gigantes estrangeiros do setor.

Como a tecnologia deve aportar no Brasil em breve, para buscar respostas sobre questões como conectividade e segurança de dados, A Referência conversou com Ericson M. Scorsim, advogado doutor em Direito pela USP (Universidade de São Paulo), consultor em Direito Regulatório das Comunicações e autor do livro ‘Jogo geopolítico das comunicações 5G: Estados Unidos e China: impacto no Brasil’. Entre os temas abordados, ele explica como é possível um movimento que tenta democratizar partes da rede de telecomunicações encontrar espaço em um mundo dominado por gigantes tecnológicas, como a chinesa Huawei.

Expectativa é que novas tecnologias de RAN abertas tragam maior flexibilidade e eficiência de custos para infraestrutura de telecomunicações (Foto: Unsplash/Divulgação)

“A arquitetura de rede de telecomunicações denominada Open Ran é um sistema focado na interoperacionalidade entre os equipamentos de rede. É um modelo para a flexibilização dos direitos de propriedade intelectual sobre as estruturas e funções das redes de telecomunicações”, explica Scorsim.

Segundo ele, o movimento ajudaria a descentralizar a internet. “O modelo depende da autorregulação do mercado, não propriamente da posição de uma única empresa”, explica. E acrescenta que intervenções normativas por parte de governos e agências regulatórias podem impulsionar o movimento, surgido em 2017 justamente para democratizar partes das redes de telecomunicações, de modo que elas não operem somente através de gigantes da indústria.

A questão da segurança é um tema bastante debatido, conforme o movimento ganha força globalmente. Recentemente, a Comissão Federal de Comunicações (FCC, da sigla em inglês) dos Estados Unidos manifestou-se sobre dúvidas a respeito da operacionalização do OpenRAN, inclusive quanto aos riscos de insegurança cibernética.

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), que estuda o OpenRan em parceria com a UnB (Universidade de Brasília), vê um dilema nessa questão. “A segurança da rede é um ponto controverso, pois alguns players afirmam que a abertura preconizada pelo OpenRan permitirá que as redes sejam mais fiscalizadas por mais entidades e fornecedores, já outros alegam que a virtualização permite uma maior superfície de ataque”.

Scorsim explica que a questão é como o dilema do cobertor curto. “Com poucos fornecedores de tecnologia de 5G, há menos competidores e maior segurança no controle da eficiência da tecnologia das redes de telecomunicações. Com mais vendedores de tecnologia 5G, há maior competição, mas são maiores os riscos quanto à segurança cibernética”, explica.

Incontestavelmente, uma das vantagens dos sistema aberto é financeira. À medida que o leque de alternativas cresce e a competição da corrida tecnológica fica mais acirrada, menos as empresas tendem a gastar com o serviço, apostaScorsim. E isso chegaria ao consumidor. “A princípio, abrindo-se à maior competitividade internacional no fornecimento de tecnologias, há o potencial para a redução dos custos dos equipamentos”.

A Anatel também prevê vantagens financeiras. Em relatório inicial sobre os estudos, a entidade projeta que as operadoras podem economizar até 30% em cinco anos, prazo máximo para que a tecnologia aberta esteja em pleno funcionamento, conforme previsão da agência.

O mercado de OpenRAN hoje

Embora ainda engatinhe no Brasil, o OpenRAN é um mercado novo e em plena ascensão no mundo. “A arquitetura OpenRan ainda não está madura para utilização em larga escala”, diz a Anatel. Os players estimam períodos diferentes para a maturação, em geral de dois a cinco anos”, diz a Anatel.

É nos Estados Unidos que o movimento mais cresce, com incentivos regulatórios para a adesão à arquitetura das redes de acesso via rádio. Esse tipo de fomento pode ser o caminho para o surgimento de novas concorrências e consequente redução da influência dos gigantes no setor.

“É um tema do maior interesse da indústria de tecnologia, software e computação dos Estados Unidos, que pretende realizar alianças internacionais para exportação deste modelo para as Américas, Europa, África e Ásia e Oceania, garantindo-se a entrada de empresas norte-americanas nestes países”, diz Scorsim.

Os EUA inclusive já disponibilizaram US$ 1,5 bilhão para impulsionar a tecnologia. No Japão, os benefícios oferecidos pelo governo às empresas focadas em desenvolvimento, fornecimento e implantação de equipamentos para redes móveis abertas incluem aportes financeiros e vantagens fiscais.

Na Europa, em uma significativa aliança tecnológica anunciada na semana passada, as empresas de telecomunicações Telefónica, Vodafone, Orange, Deutsche Telekom e Telecom Italia solicitaram aos países da União Europeia (UE) e a lideranças políticas do continente para que deem “prioridade urgente” à tecnologia OpenRAN, de modo a consolidar o protagonismo local em 5G e, no futuro, 6G.

Por que isso importa?

O futuro das redes de internet está nas redes 5G e no OpenRAN. Resumidamente, o 5G é como uma porta que dá acesso a múltiplas novas tecnologias, que precisarão de uma conexão de alta velocidade. Já o OpenRAN é como a chave para abri-la e ainda democratizar a acessibilidade.

De acordo com o site Olhar Digital, o OpenRAN é um sistema de código aberto – ou Rede de Acesso de Rádio Aberto – que busca promover a interoperabilidade por meio de hardware, software e interfaces abertas em estações base de telecomunicações sem fio.

O propósito da tecnologia é desagregar os protocolos e interfaces conhecidos para uma nova estrutura que não dependa apenas das torres e antenas das bases de rádio conhecidas – também chamadas de “caixas fechadas” por terem tecnologias próprias, ou seja, que não se comunicam com outros provedores.

A padronização e a abertura desses códigos visam inovar e acelerar ainda mais a implementação e alcance do 5G.

Tags: