Catar vê Estado palestino como premissa para normalização com Israel

Posição foi reforçada em visita do assessor dos EUA Jared Kushner, genro do presidente, em busca de novos acordos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O emir do Catar, Tamim Al Thani, afirmou que apoia a solução de dois Estados em Israel para encerrar o impasse de décadas a respeito do reconhecimento do mundo árabe a Tel-Aviv.

A afirmação foi registrada na reunião com o conselheiro da Casa Branca Jared Kushner, genro do presidente dos EUA Donald Trump, na quarta (2), segundo informações da Al-Jazeera.

Kushner visitou nesta semana países do Oriente Médio para tentar estender a outras nações o acordo de normalização de relações bilaterais assinado entre Israel e Emirados Árabes Unidos, no último dia 13. Os Estados Unidos intermediaram as seis semanas de negociação.

Na reunião, Tamim reiterou seu comprometimento com a chamada Iniciativa de Paz Árabe, assinada em 2002. O acordo possibilitaria a normalização das relações entre Israel e seus vizinhos em troca de um acordo que estabelecesse um Estado para os palestinos.

Quando Israel assinou acordos de normalização com o Egito, em 1979, e Jordânia, em 1994, os dois países exigiram a extensão de terras aos palestinos. O não cumprimento do acordo alarmou os países árabes, que se recusam a reconhecer o Estado judeu.

Catar vê Estado palestino como premissa para normalização com Israel
Família palestina na Faixa de Gaza (Foto: Shareef Sarhan/UN Photo)

Rotas aéreas via Riad

Em acordo inédito, anunciado na quarta (2), Israel passa a ter acesso a boa parte do espaço aéreo da Arábia Saudita pela primeira vez.

Segundo o jornal norte-americano “The New York Times”, a decisão saudita permite que todos os vôos aos Emirados Árabes Unidos sobrevoem o seu território. A medida inclui aeronaves israelenses.

No anúncio, a Arábia Saudita afirma que concedeu a permissão a pedido dos Estados Unidos. As duas nações são parceiras de longa data.

As autoridades sauditas afirmaram que a nova regra não sinaliza mudança na posição Israel-Palestina. “As posições do Reino em relação a causa e ao povo palestino são fixas e firmes”, disse Faisal bin Farhan, ministro das Relações Exteriores sauditas, no Twitter.

Com a permissão saudita aos vôos entre Israel e Emirados Árabes, o percurso entre os dois países fica mais barato e 7h mais curto.

O anúncio saudita afirma que “todos os países” têm permissão para utilizar o espaço aéreo do país. A mensagem não menciona o Irã e o Catar, proibidos de sobrevoar o reino.

Tags: