Grupos pedem bloqueio a venda de armas dos EUA aos Emirados Árabes

EUA aprovou transação de US$ 23 bilhões em novembro; carta aponta risco de agravamento de conflitos após venda
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Em carta, 29 grupos de direitos humanos pediram que o Congresso dos EUA bloqueie a venda de US$ 23 bilhões em armas aos Emirados Árabes Unidos, informou a Reuters na segunda (30).

Na carta, os signatários argumentam que a venda de mísseis, caças e drones agravará os danos contínuos aos civis e as crises humanitárias devido aos conflitos no Iêmen e Líbia. Washington autorizou a transação no dia 11 de novembro.

Além de organizações regionais, a carta ainda guarda instituições proeminentes, como o Instituto de Estudos de Direitos Humanos do Cairo e Mwatana para Direitos Humanos. O documento foi enviado ao Departamento de Estado dos EUA.

Grupos pedem bloqueio a venda de armas dos EUA aos Emirados Árabes Unidos
Jato-caça F-35 da norte-americana Lockheed Martin nos céus do Texas em julho de 2015 (Foto: WikiCommons/Eerste Nederlandse)

Até o momento, três senadores norte-americanos sugeriram a suspensão das negociações. A transação deve incluir drones da General Atomics, jatos F-35 da Lockheed Martin e mísseis da Raytheon.

Para barrar a venda, as resoluções devem passar pelo Congresso, de onde depende da maioria de dois terços antes de chegar ao veto presidencial.

Sem surpresas

A venda de armas dos EUA aos Emirados Árabes Unidos não é motivo de surpresas, apesar dos apelos contrários de Israel.

Ao selar a normalização de relações entre o emirado e o Estado judeu, em setembro, Washington ofereceu facilidades na aquisição de armamento pesado, como já havia feito em acordos anteriores.

Egito teve o seu exército modernizado pelo governo norte-americano depois de assinar o acordo de normalização das relações com Israel, em 1979. A Jordânia também teria recebido jatos F-16 logo após o acordo com Tel Aviv, em 1994.

Em nota, a embaixada dos Emirados Árabes Unidos afirmou que o armamento vem em boa hora. “Alinhados com os interesses dos EUA, os militares dos Emirados Árabes Unidos são uma resposta eficaz ao extremismo violento”.

Tags: