Diplomacia antiterrorismo deve ser preventiva em Moçambique, diz ONU

Método prevê a cooperação internacional e as ações já realizadas por Moçambique no combate ao terrorismo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A “diplomacia preventiva” é essencial para impedir a escalada de violência na província de Cabo Delgado, ao norte do país. A avaliação é do enviado especial da ONU (Organização das Nações Unidas) a Moçambique, Mirko Manzoni.

Em entrevista à agência de notícias da ONU, Manzoni defendeu uma “solução sustentável” no combate ao terrorismo.

A “diplomacia preventiva” é uma proposta do secretário-geral da ONU, António Guterres. Segundo Manzoni, o objetivo é evitar erros já cometidos em outros países, como na região do Sahel, quando grupos terroristas invadiram a Nigéria, em 2002.

'Diplomacia preventiva' deve barrar ataques em Moçambique, diz enviado da ONU
Refugiados dos conflitos em Cabo Delgado montam acampamento da capital regional, Pemba, em novembro de 2020 (Foto: UN Photo/Matteo Theubet)

A província moçambicana de Cabo Delgado tenta combater os insurgentes ligados ao Estado Islâmico, que espalham violência sobre a região. Os ataques se intensificaram neste ano depois que o grupo paramilitar Ahulu Sunnah Wa-Jama jurou fidelidade ao EI.

“Anos atrás, o terrorismo estava na região do Sahel. Acho que a comunidade internacional, hoje, não vê a sitação com a devida urgência”.

O enviado deve permanecer no país africano até o final do ano, prazo estipulado para encerrar o processo de desmobilização das frentes armadas do Renamo (Resistência Nacional Moçambicana).

Via de mão dupla

O processo diplomático seria de cooperação mútua entre as necessidades de Moçambique e a ajuda externa ao país para conter a crise. “Não temos que apontar uma solução, mas entender do que o Moçambique precisa primeiro”, disse o enviado.

A ideia é não repelir o que já foi feito para conter o grupo, como as recentes alianças com a Tanzânia e EUA.

Os conflitos em Cabo Delgado já forçaram o deslocamento de mais de 500 mil pessoas. Há necessidade de acompanhamento médicos, soldados e alimentação urgente, disse Manzoni.

“Os insurgentes têm uma capacidade importante do ponto de vista de armas e tecnologia. É uma situação semelhante a que foi num país como o Mali”, afirmou. “Precisamos agir rápido, pois o problema já é regional”.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: