Violência sexual é usada para ‘aterrorizar, degradar e humilhar’ na Etiópia, diz ONU

Entre fevereiro e abril, as unidades locais de saúde registraram mais de mil casos. Já em julho foram notificados 2.204 episódios em Tigré
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A violência sexual generalizada e a violência de gênero no conflito da Etiópia têm “sido usadas ​​como parte de uma estratégia deliberada para aterrorizar, degradar e humilhar vítimas e minorias étnicas”. Mulheres e meninas são vítimas desses crimes com “anuência do Estado e de atores não-estatais que intervêm no conflito”. Essas declarações constam de um relatório feito por relatores de direitos humanos destacados pela ONU (Organização das Nações Unidas) e publicado nesta sexta-feira (3).

Os 14 relatores, que analisaram o conflito ocorrendo atualmente nas regiões etíopes de Tigré, Amhara e Afar, no norte do país, repetiram as recomendações sobre a garantia de apoio total e reparação às vítimas e pedem que os responsáveis sejam levados à Justiça. As sugestões foram feitas na investigação da Comissão Etíope de Direitos Humanos e do Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU.

Diz o documento que a violência sexual generalizada e a violência de gênero contra mulheres e meninas “são dos mais flagrantes abusos dos direitos humanos e do direito humanitário”. E destaca, ainda, que a brutalidade desses atos “tem impactos físicos e psicológicos arrasadores nas vítimas, acentuado pela falta de acesso à assistência, ao apoio e à indenização para os sobreviventes”.

Refugiados de Tigré em alojamento do Unicef, em região segura da Etiópia, abril de 2021 (Foto: Unicef/Mulugeta Ayene)

As estimativas sobre a prevalência da violência de gênero são chocantes, de acordo com o grupo. Entre fevereiro e abril, as unidades locais de saúde registraram mais de mil casos. Já em julho foram notificados 2.204 episódios em Tigré. Os atos de violência são atribuídos a membros das forças de segurança da Etiópia e da Eritreia, aos rebeldes de Tigré e de Amhara e às milícias fano.

Num dos centros de atendimento, mais de 90% dos casos eram de menores de idade, e as visitas quadruplicaram desde o início do conflito, há um ano. E os dados reais podem ser muito maiores, segundo o comunicado. Os crimes acontecem tanto em áreas rurais como urbanas, nas casas onde vivem ou em locais onde se encontrem.

Relatos dão conta de que os estupros ocorrem devido à percepção ou à confirmação da filiação política das vítimas, para “pressioná-las a revelar o paradeiro de seus parentes do sexo masculino ou como atos de vingança”.

Por que isso importa?

A região de Tigré, no extremo norte da Etiópia, está imersa em conflitos desde novembro, quando disputas eleitorais levaram Addis Abeba a determinar a tomada das instituições locais. A disputa opõe a TPLF (Frente de Libertação do Povo Tigré), partido político com um braço armado, às forças de segurança nacionais da Etiópia.

Os militares chegaram a reconquistar Tigré, mas os rebeldes viraram o jogo e começaram a ganhar território. No final de junho, eles anunciaram um processo de “limpeza” para retomar integralmente o controle da região e assumiram o comando de Mekelle, a capital regional.

Pouco após a derrota do exército, o governo da Etiópia decretou um cessar-fogo e deixou Tigré. Os soldados do exército aliada Eritreia também deixaram de ser vistos por lá. Posteriormente, com o avanço dos rebeldes e a conquista das regiões vizinhas de Afar e Amhara, o exército foi enviado novamente para apoiar as tropas locais.

Durante o conflito, a TPLF se aliou ao OLA (Exército de Libertação Oromo, da sigla em inglês), que no ano passado se desvinculou do partido político homônimo e passou a defender de maneira independente a etnia Oromo, a maior da Etiópia.

A coalizão passou superar o exército nos confrontos armados e atualmente ruma para a capital. A chegada a Adis Abeba pode representar a vitória derradeira dos rebeldes, o que levou o governo a convocar a população para pegar em armas em defesa da soberania nacional.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: