Nicarágua assume o controle da antiga embaixada de Taiwan e repassa à China

Ação é uma consequência direta do rompimento de relações diplomáticas do governo Daniel Ortega com Taiwan, ocorrida no início de dezembro
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O governo da Nicarágua assumiu o controle do prédio onde antes funcionava a embaixada de Taiwan e repassou o controle do edifício à China, que reivindica o controle da ilha autogovernada como se fosse parte do seu território. As informações são da agência Associated Press.

A ação é uma consequência direta do rompimento de relações diplomáticas do governo Daniel Ortega com Taiwan, ocorrida no início de dezembro, sob a alegação de que a Nicarágua passaria a reconhecer somente Beijing como governo legítimo da China.

Antes de deixar o edifício, o governo de Taiwan tentou doar a propriedade à Igreja Católica local. Então, Ortega alegou que qualquer doação seria irregular, vez que apenas Beijing tinha o direito a definir o destino do local.

“Existe uma só China”, disse o governo da Nicarágua no comunicado que anunciou a mudança. “A República Popular da China é o único governo legítimo que representa toda a China, e Taiwan é parte inalienável do território chinês”.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan condenou as “ações gravemente ilegais do regime de Ortega”, dizendo que o governo da Nicarágua violou o procedimento diplomático padrão ao conceder apenas duas semanas para que os diplomatas taiwaneses deixassem o país. A pasta também condenou “a obstrução arbitrária do governo da Nicarágua à venda simbólica de sua propriedade para a Igreja Católica da Nicarágua”.

Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, em encontro com lideranças latinas na Venezuela, em março de 2018 (Foto: Flickr/Cancillería Venezuela)

Com o distanciamento da Nicarágua, restam apenas 14 países que reconhecem Taiwan como nação independente. As relações diplomáticas entre os dois governos haviam se estabelecido na década de 1990, quando a então presidente Violeta Chamorro derrotou o movimento sandinista nas eleições. Ortega manteve o vínculo quando reassumiu o poder, em 2007, e somente agora pendeu para o lado de Beijing.

Eleito para mais um mandato em novembro deste ano, Ortega teve a vitória contestada por Washington, maior aliado de Taiwan. “A prisão arbitrária de quase 40 figuras da oposição desde maio, incluindo sete candidatos presidenciais em potencial, e o bloqueio da participação dos partidos políticos fraudou o resultado bem antes do dia das eleições”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, à época do pleito.

Por que isso importa?

Relações exteriores que tratem Taiwan como uma nação autônoma estão, no entendimento de Beijing, em desacordo com o princípio defendido de “Uma Só China“, que também encara Hong Kong como território chinês.

Diante da aproximação do governo taiwanês com os Estados Unidos, a China endureceu sua retórica contra as reivindicações de independência da ilha autônoma no ano passado, e as tensões geopolíticas escalam com rapidez na região.

Jatos militares chineses passaram a realizar exercícios militares nas regiões limítrofes com Taiwan, enquanto Beijing deixou claro que não aceitará a independência do território “sem uma guerra”.

embate, porém, pode não terminar em confronto militar, e sim em um bloqueio total da ilha. É o que apontaram relatórios produzidos pelos EUA e por Taiwan em junho, de acordo com o site norte-americano Business Insider.

O documento, lançado pelo governo taiwanês no ano passado, pontua que Beijing não teria capacidade de lançar uma invasão em grande escala contra a ilha. “Uma invasão provavelmente sobrecarregaria as forças armadas chinesas”, concordou o relatório do Pentágono.

Caso ocorresse, a escalada militar criaria um “risco político e militar significativo” para Beijing. Ainda assim, ambos os documentos reconhecem que a China é capaz de bloquear Taiwan com cortes dos tráfegos aéreo e naval e das redes de informação.

Tags: