Ásia e Pacífico

No sul da Ásia, chanceler russo sugere ‘mediação’ para cessar-fogo afegão

Em viagem a Índia e Paquistão, Lavrov aproveita saída dos EUA para incluir potências regionais em acordo no Afeganistão

A visita do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e sua comitiva à Índia e Paquistão, nesta terça e quarta (7), serviu de gancho para a defesa de uma possível mediação de Moscou em prol do cessar-fogo no Afeganistão.

Em seus discursos na Índia, nesta terça-feira, Lavrov sublinhou a influência dos países vizinhos para a paz afegã. “A Índia sem dúvida faz parte dos esforços internacionais para encontrar uma solução no Afeganistão”, disse Lavrov em entrevista ao jornal indiano “The Hindustan Times”.

O Afeganistão vive um novo capítulo da disputa entre o Exército e o Taleban desde que os EUA anunciaram a retirada das tropas do país, no ano passado. A saída está prevista para 1º de maio, mas Washington já sinalizou que deve prorrogar o prazo de três a seis meses, indicaram funcionários do governo dos EUA à Associated Press.

Em visita à Ásia, Moscou pavimenta mediação em cessar-fogo afegão
O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e seu homônimo da Índia, S. Jaishankar, em visita de Moscou à Nova Délhi, em abril de 2021 (Foto: Reprodução/Twitter/Ministry of Foreign Affairs of Russia)

Conforme Lavrov, o que acontece no Afeganistão afeta diretamente a segurança da Índia. “Uma paz duradoura [no Afeganistão] exige a harmonização dos interesses de todos, tanto dentro quanto ao redor do país”, disse ao chanceler indiano S. Jaishankar, em registro do “The Economic Times”.

Moscou intensificou seus esforços para participar da mediação do conflito afegão ainda no começo de março. Representantes russos receberam líderes do Taleban e do governo afegão para uma rodada de conversas.

Desta vez, o representante especial da Rússia para o Afeganistão, Zamir Kabulov, integra a comitiva de Lavrov à Ásia. A visita do ministro é a primeira de Moscou ao Paquistão em nove anos. “Moscou e Islamabad trabalham juntos no processo de paz afegão”, disse o chanceler paquistanês, Shah Mahmood Qureshi, nesta terça.

A antiga União Soviética negociou sua saída do Afeganistão em fevereiro de 1989, após uma turbulenta ocupação que durou dez anos.

Índia e China

Em coletiva de imprensa na Índia, Lavrov descartou qualquer aliança militar futura entre Rússia e China. “É contraproducente”, disse, à guisa de resposta aos boatos de aproximação entre os dois países contra os EUA.

“Espero que Nova Délhi e Beijing encontrem formas políticas e diplomáticas mutuamente aceitáveis para remover as diferenças o mais rápido possível”, disse o ministro russo. China e Índia disputam a fronteira do Himalaia – um conflito anterior à própria independência indiana, de 1947.

Moscou mantém relações com ambos os países e deseja seguir assim, disse Lavrov. “Fixamos isso no mais alto nível durante a cúpula da Rússia e China. Apesar de nossas relações viverem o ponto mais alto de sua história, elas não perseguem o objetivo de estabelecer uma aliança militar”, pontuou.