Cessar-fogo em Nagorno-Karabakh evidencia renovação da influência turca

Como mediadora, Rússia não impediu que permanência de aliados armênios continuasse em território disputado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A recente trégua no conflito entre Armênia e Azerbaijão na região de Nagorno-Karabakh, na segunda (9), coloca a Turquia como a grande influência externa na região do Cáucaso – vista, por Moscou, como seu “quintal geopolítico”.

Ainda que a Rússia tenha orquestrado a mediação e enviado tropas de paz ao conflito, foi seu próprio aliado ,a Armênia, quem teve de ceder para os azeris. O acordo encerra mais de 30 anos de disputa.

“Por trás da mediação bem-sucedida do Kremlin, há uma dura realidade”, disse o diretor do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias, Ruslan Pukhov, ao jornal britânico “Financial Times“.

Cessar-fogo em Nagorno-Karabakh expõe expansão de influência turca
Vladimir Putin antes de se encontrar com o político russo Alexei Dyumin para discutir a questão Nagorno-Karabakh, no Kremlin, em novembro de 2020 (Foto: TASS/Alexei Nikolsky)

“A influência de Moscou na região transcaucasiana diminuiu drasticamente, enquanto o prestígio da Turquia cresceu de forma incrível”. Agora a Armênia deve retirar as suas tropas e ceder o território de Nagorno-Karabakh ao Azerbaijão até o final de novembro.

A comunidade internacional reconhece a região como azeri, mas várias forças de Yerevan ocupam cidades do território desde o início dos anos 1990 porque a região é etnicamente armênia.

No final de setembro, Baku prometeu recapturar todo o território e já cercava a capital regional, Stepanakert, quando a Armênia recuou.

“É uma decisão muito dolorosa para o nosso povo”, disse o premiê armênio Nikol Pashynian, em meio a protestos. Segundo ele, a situação militar impediu que o país continuasse na disputa.

Frente a frente

Kremlin influencia a região pós-soviética por meio de laços comerciais, assistência financeira e pela ameaça representada por seu robusto exército. Mas a vitória de Baku no confronto mostrou que Moscou não é a única potência capaz de manejar o território.

A inclusão dos turcos na geopolítica do Cáucaso pode ser resposta à entrada da Rússia na guerra da Síria, em 2015, e suas atividades na Líbia. Os locais são tidos por Ancara como sua “zona de influência”.

Amigos e rivais, Rússia e Turquia concordaram em discutir os detalhes do acordo de cessar-fogo – o que inclui a presença de Ancara no processo de manutenção de paz.

Na terça (10), o ministro de Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusogli, afirmou que os dois países estão em “contato constante”. “Nossas reuniões continuam”, afirmou.

“O acordo será monitorado e regulamentado. Apoiamos o nosso irmão Azerbaijão o tempo todo – seja no front ou na mesa de negociação”.

Tags: