Após protestos, Moscou corta auxílio ao Quirguistão, país-satélite na Ásia Central

Moscou congelou envio de US$ 100 milhões ao Quirguistão após renúncia de presidente e protestos no país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Ex-integrante da União Soviética, o Quirguistão vê a relação com Moscou estremecer. No mesmo dia da renúncia do então presidente Sooronbay Jeenbekov, no último dia 15, o Kremlin suspendeu o envio anual de US$ 100 milhões ao país.

O Quirguistão é parte da CEI (Comunidade de Estados Independentes), liderada pela Rússia. Ainda que não fosse favorável a Jeenbekov, Vladimir Putin pediu que se mantivesse a “estabilidade” após as eleições quirguizes.

A tomada de poder por um governo interino, liderado por Sadyr Japarov, é caracterizada por Putin uma “tragédia” à qual assiste com “pena e preocupação”, registrou o jornalista Bruce Pannier à Radio Free Europe.

As manifestações no Quirguistão começaram após uma onda de protestos contrários aos resultados das eleições parlamentares de 4 de outubro.

Com cortes e governo interino, Quirguistão sofre sanção da Rússia
Em primeiro plano, o ex-presidente do Quirguistão, de perfil, Sooronbay Jeenbekov, e o presidente russo Vladimir Putin, em conferência no Kremlin em fevereiro de 2020 (Foto: Kremlin)

Um possível objetivo de Putin é evitar levantes populares de grande magnitude em seus países-satélites, caso de Belarus desde o início de agosto. Ali, a sexta reeleição de Alexsander Lukashenko desencadeou uma série de protestos com centenas de detidos em todo o país.

Ao tentar persuadir o Kremlin para retomar o apoio a Bishkek, o secretário do Ministério das Relações Exteriores quirguiz, Chingiz Aidarbekov, tentou uma nova aproximação no dia 29.

Sem hora marcada, nenhuma das autoridades teria aceitado atendê-lo, registrou a RFE. Mais tarde, porém, a agência estatal Kabar afirmou que o secretário conversou com lideranças do governo, mas não citou nenhum nome em específico.

Tags: