Em Montenegro, governo pró-UE tem vitória apertada contra sérvios pró-Rússia

Nos Bálcãs, país terá 28 deputados da oposição, que defende alinhamento a Moscou, e 29 governistas pró-UE
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Resultados preliminares mostram que o partido do presidente de Montenegro, Milo Djukanovic, perdeu seu protagonismo nas eleições parlamentares realizadas neste domingo (30).

Por tentar a adesão à UE (União Europeia) e estreitar laços com o Ocidente, Djukanovic foi o artífice da independência montenegrina da Sérvia, em 2006 e adesão à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em 2017.

Pequena república balcânica, Montenegro é mais um dos palcos onde se desenrola a disputa entre o Ocidente e a Rússia pela ampliação de uma esfera de influência.

Governo vence, mas oposição conquista metade do Parlamento de Montenegro
Seção eleitoral em Podgorica, capital de Montenegro; eleitores foram às urnas neste domingo (30) (Foto: OSCE/Urdur Gunnarsdottir)

A oposição no país, liderada pela Igreja Ortodoxa Sérvia, elegeu 28 candidatos. O governista PDS (Partido Democrático dos Socialistas), no poder há 30 anos, tem 29 deputados eleitos de uma lista de 81, diz a Reuters.

De acordo com a pesquisa da Comissão Independente (CeMi), que apurou cerca de metade das cédulas, o partido de Djukanovic teria 34,2% dos votos. Já a coalizão opositora, pró-Sérvia e pró-Rússia, aparece com 33,7%. A aliança de partidos de centro ficou em terceiro lugar, com 12,6% dos votos.

Com popularidade em declínio, o presidente enfrenta acusações de corrupção, captura das instituições de Estado e ligações com o crime organizado.

Na campanha eleitoral, ele se concentrou em combater a oposição da Igreja Ortodoxa Sérvia, que se opõe à lei de liberdade religiosa, do final de 2019. A norma abre caminho para que o Estado assuma o controle das igrejas e mosteiros administrados pela instituição. No país, 30% dos habitantes se declaram sérvios.

De acordo com a OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), a campanha foi pacífica, apesar do tom conflituoso. As autoridades montenegrinas tomaram as precauções necessárias para evitar o contágio em meio a pandemia do coronavírus. Também não há relato de fraudes.

Tags: