Inquérito do Reino Unido conclui que há ‘conluio’ entre Huawei e Beijing

Avaliado por especialistas de segurança e telecomunicações inquérito pode barrar Huawei em países da UE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Um inquérito do Parlamento do Reino Unido concluiu que há “evidências de conluio” entre a empresa de tecnologia chinesa Huawei e o governo de Beijing, informou a BBC.

O comitê da Câmara baseou a conclusão em especialistas em segurança cibernética, membros da indústria de telecomunicações e críticos da empresa.

Ainda que a Huawei já tenha recebido sanções do Reino Unido, o documento pode atrapalhar a venda de infraestrutura de telecomunicações em outros países europeus.

Com base no relatório, um investidor teria afirmado que o governo chinês financiou até US$ 75 bilhões à empresa desde 2017.

O modelo de propriedade e os subsídios que teria recebido de Beijing comprovariam a conexão. “É evidente que a Huawei está fortemente ligada ao Estado chinês e ao Partido Comunista, apesar das declarações em contrário”, enfatizou o inquérito.

Inquérito parlamentar do Reino Unido conclui que há 'conluio' entre Huawei e Beijing
Prédio da Huawei em ShenZhen, na China (Foto: Wikimedia Commons)

Segundo os parlamentares, os ministros devem considerar antecipar a remoção dos equipamentos instalados pela empresa até 2025 – e não 2027, como é o prazo atual.

Assim como a Austrália, o Reino Unido bloqueou a empresa nas novas compras de equipamentos para a implantação da rede 5G ainda em julho. Os EUA, que alegam potencial de vazamento de informações confidenciais para o governo chinês, têm incentivado aliados a rejeitar a empresa.

Em resposta, a Huawei afirmou que o relatório carece de credibilidade. “Temos certeza de que as pessoas perceberão essas acusações de conluio e se lembrarão do que a Huawei entregou à Grã-Bretanha nos últimos 20 anos”, disse um porta-voz da empresa.

Ainda que tenham participado das reuniões do comitê em julho, os executivos da Huawei não testemunharam no inquérito.

Tags: