Documentos brasileiros comprovam relação entre Huawei e Skycom até 2012

Huawei afirmou que vendeu Skycom em 2007, mas documentos apontam que trabalho conjunto seguiu até 2012
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A relação entre a Huawei e a Skycom – empresa acusada pelos EUA de violar sanções ao Irã – se estendeu até 2012. O prazo é cinco anos a mais de quando a gigante de tecnologia chinesa afirma ter vendido a empresa.

A comprovação está em documentos submetidos ao governo de São Paulo, como revelou uma investigação da Reuters.

O material pode auxiliar o processo movido pelo governo dos EUA contra a Huawei. Segundo as autoridades norte-americanas, a Huawei teria usado a Skycom para contornar sanções impostas ao país do Oriente Médio entre 2007 e 2014.

De acordo com a reportagem, a Huawei controlou a Skycom para vender tecnologias embargadas nos EUA ao Irã.

Documentos brasileiros comprovam relação entre Huawei e Skycom até 2012
Prédio da Huawei em Shenzhen, na China (Foto: Wikimedia Commons)

Os dois sócios principais da Huawei, Ken Hu e Guo Ping, contudo, afirmam que venderam a Skycom em 2007, tornando-a uma “parceira à distância” da Huawei. Eles negam qualquer quebra de embargo.

Com os documentos, é possível identificar um controle maior da Huawei sobre a Skycom no período.

Além disso, quando a Skycom deixou a operação da Huawei Brasil, em 2012, as suas ações foram para outra entidade da gigante chinesa: a Huawei Technologies da Holanda, apontam os registros brasileiros.

EUA x Huawei

O processo dos EUA contra a Huawei ocorre em meio a acusações de espionagem e lobby para barrar o uso da tecnologia chinesa na implantação da nova rede de telecomunicações 5G.

De acordo com Washington, a China pode usar a rede para atacar a infraestrutura dos países e comprometer o compartilhamento de informações sigilosas. Tanto Beijing quanto a Huawei negam qualquer interferência.

A executiva da Huawei, Meng Wanzhou, está em prisão domiciliar no Canadá desde 2018 por conta do processo. No dia 29, ela voltou ao tribunal para pedir a sua libertação.

Os EUA a acusam de integrar um esquema fraudulento para obter produtos e tecnologia proibidos nos EUA para negócios da Huawei no Irã por meio da Skycom. A empresa de Hong Kong foi dissolvida em 2017.

Tags: