Economia

Com pandemia, renda global do trabalho caiu US$ 3,5 trilhões, aponta ONU

Trabalhadores de economias emergentes e mulheres foram os mais afetados; queda é de 10,7% nos ganhos salariais

Uma pesquisa da ONU (Organização das Nações Unidas) concluiu que a renda obtida através do trabalho caiu até US$ 3,5 trilhões em todo o mundo, desde o início da pandemia do novo coronavírus.

A redução representa 10,7% nos ganhos salariais entre janeiro e setembro de acordo com o estudo, divulgado neste sábado (3).

Ao analisar os dados, a OIT (Organização Internacional do Trabalho) destacou que os trabalhadores de economias emergentes sentiram impactos maiores que aqueles de países desenvolvidos. Como previsto, as mulheres foram mais afetadas que os homens.

A redução salarial vem na esteira de uma queda média de 15,1% da atividades nas economias de baixo rendimento. O valor compromete até 5,5% do PIB (Produto Interno Bruto) global, na comparação aos primeiros nove meses de 2019.

O maior impacto, segundo a OIT, é nas Américas, onde se estima uma perda de 12,1% da renda do trabalho. Nos países ricos, a queda não passou os 9%.

Com pandemia, renda global por trabalho caiu US$ 3,5 trilhões, aponta ONU
Trabalhadores em Cabul, capital do Afeganistão, em 2020 (Banco Mundial/Abbas Farzami)

Tempo desperdiçado

As estimativas para o terceiro trimestre não são otimistas. Em nível global, o tempo de trabalho desperdiçado é de 17,3% – o equivalente a 495 milhões de empregos em tempo integral.

Entre outubro e dezembro, especialistas da OIT estimam uma queda de até 8,6% no tempo utilizado para o trabalho. Quando somado, o volume representa uma diminuição de até 245 milhões de postos de trabalho.

A perda de horas de trabalho se dá mais pela falta de atividade e não pelo desemprego, explicou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder. “A urgência em superar os impactos econômicos, sociais e de emprego inclui o apoio aos postos de trabalho, às empresas e à renda”, afirmou.