Em áudio vazado, chanceler do Irã diz que Rússia tenta parar ‘negócio nuclear’

Em áudio de três horas, chanceler fala sobre relações "difíceis" com Rússia, EUA e China com franqueza inédita
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um áudio vazado do ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, nesta segunda (26), mostra o chanceler dizendo que a Rússia quer parar o “negócio nuclear” do Irã. A gravação, a qual a agência norte-americana Associated Press teve acesso, tem cerca de três horas.

“Se o Irã não tivesse se tornado a prioridade de [Donald] Trump, a China e a Rússia é que teriam virado prioridade”, diz o chanceler. Conforme Zarif, Moscou quer parar as tratativas nucleares com o Irã – um ponto de extrema sensibilidade que o faz pedir para que o entrevistador “nunca libere” a confissão, diz o áudio.

Seu interlocutor é o economista e jornalista Saeed Leylaz, ex-conselheiro de Mohammad Khatami, clérigo pró-reforma e presidente do Irã por dois mandatos, entre 1997 e 2005. Os trechos foram divulgados pela Iran International, emissora persa sediada em Londres.

Em áudio vazado, chanceler do Irã afirma que Rússia quer parar 'negócio nuclear'
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, em fórum diplomático de Teerã, agosto de 2015 (Foto: Divulgação/Mahmoud Hosseini)

Segundo o ministro, Moscou teve um “relacionamento difícil” com ex-presidente norte-americano Barack Obama, que negociou acordo nuclear com Teerã em 2015. Washington deixou o tratado de forma unilateral em 2018 e impôs um pacote extenso de sanções, com o objetivo de causar máxima pressão na economia iraniana. A Rússia e o Irã também têm relações tensas, apesar de serem aliadas na guerra na Síria.

“Se por causa da hostilidade com o Ocidente sempre precisarmos da Rússia e da China, eles não precisam competir com ninguém e também podem sempre desfrutar do máximo de benefícios por nosso intermédio”, afirmou. Tanto Moscou quanto Beijing defendem publicamente o retorno do acordo nuclear.

Candidatura e Guarda Revolucionária

Zarif também fala sobre o major-general Qasem Suleimani, morto em janeiro de 2020 após um ataque de drones dos EUA. Segundo ele, o militar trabalhou para subverter o acordo nuclear em conluio com a Rússia, ao intensificar a intervenção iraniana na Síria.

“Quase todas as vezes que fui negociar, Suleimani disse: quero que você faça esta concessão ou ponto. Eu estava negociando para o sucesso do campo [militar]”, afirmou Zarif. Apesar da aparente frustração, o ministro reconheceu a importância do major, um dos principais arquitetos da estratégia militar do Irã. “Acredito que os EUA, ao atingi-lo, desferiram um golpe ao Irã que não teria sido tão ruim quanto atingir uma de nossas cidades”.

Em certa altura, Leylaz sugere que Zarif concorra a presidente nas eleições de 18 de junho, ideia que o ministro rejeita. O diplomata está em quatro lugar em pesquisas preliminares, empatado com o chefe do Judiciário, o linha-dura Ebrahim Raisi, apontou o diário “The Washington Post”.

Na conversa, o o jornalista também afirma que o governo de Hassan Rouhani não foi informado pela Guarda Revolucionária de que haviam derrubado acidentalmente um voo comercial ucraniano que deixava o aeroporto de Teerã em janeiro de 2020. Todos os 176 passageiros a bordo morreram.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh, classificou o vazamento como “ilegal”. Segundo ele, a conversa tinha “fins históricos” e um “compromisso mútuo de manter sua confidencialidade”. O vazamento pode interferir nas negociações indiretas para a retomada do acordo nuclear, que acontecem na capital austríaca Viena.

Tags: