Missão dos EUA na Turquia alerta norte-americanos sobre ameaças de atentados

Consulado em Istambul suspendeu atendimento e pediu a norte-americanos que evitem locais públicos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os diplomatas da missão dos EUA na Turquia alertaram os norte-americanos no país sobre possíveis ataques terroristas nos próximos dias, informou a Voice Of America News.

De acordo com um alerta de segurança emitido na sexta (23), há possibilidade de atentados e sequestros contra cidadãos dos EUA e estrangeiros em Istambul. O consulado dos EUA na cidade também seria um alvo potencial, diz a nota.

“Pedimos que os cidadãos norte-americanos tenham atenção extra em grandes edifícios, shoppings e locais onde possa haver qualquer aglomeração de estrangeiros”, de acordo com o comunicado.

Missão dos EUA na Turquia alerta norte-americanos sobre ameaças de atentados
Consulado dos EUA em Instambul, na Turquia, em celebração à causa LGBT, em junho de 2020 (Foto: Facebook/U.S. Embassy in Turkey)

Em prevenção contra possíveis atentados, todos os serviços realizados nos consulados norte-americanos foram suspensos por tempo indeterminado.

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, o alerta se baseia em avaliações contínuas das condições de segurança no país.

Não há detalhes, no entanto, sobre o que poderia ter motivado o aviso, que vem na esteira de recentes ataques aéreos dos EUA contra as forças da Al-Qaeda na Síria, na quinta-feira (22).

Na noite desta segunda (26), um suposto militante curdo teria detonado um artefato em uma missão suicida após perseguição policial em Iskenderun, próxima à fronteira da Turquia com a Síria, relatou o portal Daily Mail.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: