Com Covid como pretexto, Jordânia reprime protestos com violência

Manifestantes são agredidos por policiais à paisana; Jordânia vive onda de protestos após fechamento de sindicato
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Após usar a pandemia como pretexto para fechar o Sindicato Nacional dos Professores e prender ativistas, o governo da Jordânia reage com violência a qualquer tentativa de protesto. A denúncia, desta quinta (27), é da organização HRW (Human Rights Watch).

No dia 25 de julho, a polícia invadiu e fechou a sede do sindicato na capital, Amã, e em mais 11 filiais em todo o país. A acusação é de “reunião ilegal” e “incitação ao ódio”, apontou a HRW.

Os soldados ainda prenderam 13 membros do conselho. Eles foram liberados no último domingo (23), um mês após a prisão. Outros líderes seguem detidos.

“O governo jordaniano está explorando o estado de emergência para reprimir a indignação pública pelo fechamento arbitrário do Sindicato dos Professores”, disse Michael Page, vice-diretor do Oriente Médio da Human Rights Watch.

Sob pretexto da Covid-19, governo da Jordânia revida protestos com violência
Manifestações na capital da Jordânia, Amã, em novembro de 2005 (Foto: Flickr/Isam Bayazidi)

Manifestantes relatam que estão sendo abordados e agredidos por policiais à paisana em diversas cidades do país. No dia 4, militares não-fardados espancaram um grupo de ativistas no dia 4, na cidade de Karak, próxima a fronteira com Israel.

Outra manifestante de Irbid, no norte do país, denunciou que um policial com roupas civis teria solicitado o seu celular após protestos no dia 9. “Ele abriu meu telefone, olhou minhas fotos, apagou duas ou três que tirei no protesto e foi embora”, disse ela.

Também há registro de restrição nas redes sociais entre o final de julho e início de agosto, momento de maior alta nos protestos, informou o grupo NetBlocks.

Além dos manifestantes, os policiais também agridem jornalistas na cobertura dos protestos. O HRW afirmou que dois repórteres foram espancados durante as manifestações contrárias ao fechamento dos sindicatos dos professores, no dia 9.

Tags: