África

Ministra francesa vai ao Mali pressionar contra contratação de mercenários russos

Visita de Florence Parly ocorre no momento em que o governo do país africano busca contratar mil combatentes do Wagner Group

Após advertir o Mali na semana passada sobre os riscos de um acordo com o Wagner Group, a França enviou sua ministra da Defesa ao país africano, no domingo (19), para pressionar a junta militar a não avançar nas negociações com os mercenários russos. Além disso, de acordo com matéria da Voice of America (VOA), os franceses estão no encalço para que o governo do coronel Assimi Goita devolva a nação à ordem constitucional em fevereiro de 2022.

A visita de Florence Parly ocorre em meio às negociações do governo militar do Mali com combatentes da misteriosa organização mercenária, o que apontaria para uma vertiginosa influência de Moscou na região. Diante disso, a França iniciou uma campanha diplomática para demover o país da ideia, justificando que tal acordo é inconciliável com a presença de tropas francesas no Mali.

O Cedeao (Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental) e outros aliados que engrossam o front no combate a grupos extremistas na região do Sahel também manifestaram apreensão com o iminente acordo.

A ministra da Defesa da França, Florence Parly (Foto: U.S. Secretary of Defense/Wikimedia Commons)

A junta militar do Mali, no poder desde agosto de 2020, justifica o acordo na movimentação militar da França para fora do país, que começou a reduzir a missão Barkhane, iniciada em 2013. A operação combateu rebeldes da Al Qaeda e Estado Islâmico (EI) em toda a região. Atualmente, 5,1 mil militares franceses estão ativos por lá. 

A França descreve o relacionamento atual com o governo de Goita como “complicado”, embora sua presença seja fundamental nas operações de contraterrorismo conduzidas no país. Na última quinta (16), Macron anunciou a morte de uma proeminente liderança do Estado Islâmico no Grande Saara (EIGS), Adnan Abu Walid al-Sahrawi, celebrada como um episódio bem-sucedido na luta contra grupos terroristas no Sahel.

No domingo, o Ministério das Relações Exteriores de Mali chamou de “inaceitáveis, hostis e condescendentes” a contestação do vizinho Níger sobre a perspectiva de um acordo com o Wagner Group.

“Pesadas consequências”

Um funcionário do Ministério da Defesa da França declarou à imprensa antes da visita que Parly enfatizaria às autoridade do Mali “as pesadas consequências se esta decisão for tomada”. Segundo ele, a mensagem da ministra incluiria a importância que o calendário para a transição para a democracia, que levará às eleições em fevereiro de 2022, seja mantido.

O exército francês começou a redistribuir tropas nas bases que mantém em Kidal, Tessalit e Timbuktu, no norte do Mali, no início do mês. O país quer reduzir seu contingente para até 3 mil, movendo mais ativos para o Níger e encorajando outras forças especiais europeias a trabalharem ao lado das forças locais.

Organização obscura

Oficialmente, o Wagner Group sequer existe. Mas há indícios de que ao menos 10 mil pessoas já atuaram para a misteriosa organização, cuja primeira empreitada de que se tem notícia foi em 2014, quando se aliou a separatistas pró-Rússia contra o governo da Ucrânia. Desde então, há sinais de presença do grupo em conflitos em diversos países, como Líbia, Síria, Sudão, Moçambique e República Centro Africana.

Por que isso importa?

A instabilidade no Mali começou com o golpe de Estado em 2012, quando vários grupos rebeldes e extremistas tomaram o poder no norte do país durante dez meses. De quebra, a nação, independente desde 1960, viveu em agosto do ano passado o quarto golpe militar na sua história.

Especialistas e políticos ocidentais enxergam uma geopolítica delicada na região, devido ao aumento constante da influência de grupos jihadistas. Além disso, trata-se de uma posição importante para traficantes de armas e pessoas. A retirada das tropas de Macron tende a aumentar a violência.