Congresso do Peru vota admissão de nova moção contra Vizcarra no sábado

Se aceita, moção de vacância pode derrubar presidente peruano; esta é a segunda moção contra Vizcarra em 2020
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, encara uma nova moção de vacância neste sábado (31). O Congresso deve votar se admite, ou não, uma proposição por “incapacidade moral permanente” contra o político.

Se o pedido for aceito, Vizcarra corre, novamente, o risco de ser destituído do cargo.

O chefe de Estado já foi liberado de um processo semelhante no dia 18 de setembro, quando o Congresso o julgou por beneficiar o cantor Richard “Swing” Cisneros em contratos irregulares.

Congresso do Peru vota admissão de nova moção contra Vizcarra no sábado
O presidente do Peru, Martín Vizcarra, em visita à Alemanha em janeiro de 2017 (Foto: Ministério do Transporte e Infraestrutura da Alemanha)

Desta vez, a moção se refere a um suposto suborno recebido por Vizcarra ainda em 2013.

Quatro colaboradores teriam se comprometido a pagar uma propina de um milhão de soles (R$ 1,60 milhão) ao político por duas obras em Moquegua. À época, Vizcarra era governador da cidade, na província de Mariscal Nieto.

Poucos meses depois, a empresa Obrainsa – responsável pelo depósito – venceu uma licitação em obras de irrigação na região, informou o jornal “El Comércio”, da capital Lima.

A bancada do partido União do Peru apresentou a proposta na noite de terça (27). Os partidos Podemos Peru e Frente Amplio, e os congressistas Orlando Arapa e Rosario Paredes, da Ação Popular, e César Gonzales, sem partido, declararam apoio à moção.

Para que o pedido de aceito, pelo menos 40% – ou 52 dos parlamentares – devem aderir à proposição.

A moção representa um novo conflito de poderes no Peru. Em setembro do ano passado, Vizcarra dissolveu o Congresso e convocou novas eleições legislativas.

Com a popularidade em alta desde que ascendeu ao poder, em 2018, o presidente peruano não postulou apoio a qualquer partido para lhe representar entre os parlamentares.

Tags: