Artigos

Incursões chinesas na zona de defesa aérea de Taiwan são um prelúdio para a guerra?

Artigo afirma que ações militares da China podem ser, sim, o prenúncio de uma invasão à ilha, que poderia ocorrer em algum momento após 2025

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site do jornal norte-americano The Hill

Por Andrew Latham*

No fim de semana passado, a Força Aérea da China estabeleceu novos recordes de incursões na Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan (ADIZ). Quase 150 aviões de guerra – incluindo bombardeiros pesados ​​e caças avançados – entraram na zona de defesa de Taiwan, adotando a mesma formação que fariam durante um ataque real.

Embora o ADIZ de Taiwan não faça parte formalmente de seu espaço aéreo, de acordo com o direito internacional, é considerado uma importante zona-tampão ao redor da ilha. O fato de Beijing ordenar que sua força aérea penetrasse nesta zona, como tem feito com crescente regularidade e força nos últimos meses, levou muitos observadores a se perguntarem exatamente o que está acontecendo.

A visão otimista, é claro, é que essas incursões não são nada novas ou particularmente significativas. Esses gestos militares são simplesmente a maneira de Beijing de lembrar que Taiwan faz parte da China e não deve ir muito longe na direção da independência formal. Enquanto Taiwan não fizer nenhum movimento sério nessa direção, os gestos são apenas isso: gestos. Eles são sinais políticos significativos, mas não são motivo de preocupação geopolítica.

Mas há uma maneira diferente de interpretar esses eventos. E uma delas é motivo de preocupação.

De acordo com essa interpretação alternativa, o que estamos testemunhando agora – e de fato temos estado no último ano ou mais – é um prelúdio para uma invasão real. Não um prelúdio no sentido de sondar a defesa de Taiwan em preparação para um ataque no próximo mês ou mesmo no próximo ano. Beijing claramente ainda não está militarmente preparada para agir assim em breve. Em vez disso, preparação no sentido de futuramente lançar uma invasão através do Estreito em algum momento após 2025, o primeiro ponto em que a China terá capacidade militar para fazê-lo.

Incursões chinesas na zona de defesa aérea de Taiwan são um prelúdio para a guerra?
Modernos caças J-16D são invisíveis ao radar e foram projetados para atuar em condições idênticas às de Taiwan (Foto: Global Times/China)

E por que Beijing estaria se preparando para lançar uma invasão nesse período de tempo? Uma China em ascensão poderia antecipar o domínio do Pacífico Ocidental em um futuro não muito distante, isolando Taiwan ainda mais e, eventualmente, deixando Taipé sem escolha a não ser aquiescer e se unir à República Popular da China (RPC). Então, por que considerar o uso de força militar para atingir esse objetivo? E qual é a grande pressa?

A resposta, claro, é que os líderes da RPC sabem que seu país está chegando ao pico e que suas chances de trazer Taiwan para o rebanho (seja por intimidação ou invasão) podem nunca ser tão boas quanto agora. No médio a longo prazo, tanto a economia quanto a demografia deixarão a RPC relativamente pior do que está hoje.

Por um lado, o crescimento econômico até então meteórico do país está estagnando e há todos os indícios de que ele ficará preso em uma “armadilha de renda média” que minará tanto sua influência diplomática quanto seu poder militar. Por outro lado, a população do país está diminuindo e envelhecendo. Isso significa menos trabalhadores apoiando um maior número de aposentados, com todos os efeitos previsíveis que isso terá sobre a capacidade da RPC de investir nos instrumentos de pod hard e soft power.

Mas essas são preocupações de longo prazo. Por enquanto, o principal obstáculo ao objetivo central de Beijing de unificar as duas Chinas é de natureza geopolítica. Especificamente, à medida que a RPC ficou mais forte e agiu mais como aspirante a hegemônica na região do Indo-Pacífico, uma nova coalizão contra-hegemônica cada vez mais robusta começou a se formar.

Isso não assumiu a forma de algum tipo de Otan (Organização do Tratado do Atlântico Nortes) asiática – uma organização de defesa mútua baseada em tratados altamente institucionalizada. Em vez disso, assumiu a forma de uma constelação de arranjos “minilaterais” parcialmente sobrepostos, facilitando o compartilhamento de inteligência, cooperação militar, segurança da cadeia de suprimentos e outras formas de colaboração relacionada à defesa.

Esses minilaterais incluem a recém-anunciada parceria de segurança AUKUS, o consórcio de inteligência Five Eyes, os Five Powers Defense Arrangements, o Quad/Quad+, o Diálogo Trilateral Índia-Japão-EUA (e exercícios navais Malabar associados), o trilateral Índia-Austrália-Indonésia e acordos bilaterais de defesa, como aqueles entre os EUA e o Japão, os EUA e a Coreia do Sul e os EUA e as Filipinas.

Esses arranjos contra-hegemônicos são um desafio direto ao uso cada vez mais assertivo da China de seu poder recém-descoberto – e uma fonte indireta de apoio para Taiwan.

Incursões chinesas na zona de defesa aérea de Taiwan são um prelúdio para a guerra?
Exercício militar de Taiwan realizado em junho de 2020 (Foto: Wkimedia Commons)

Do ponto de vista de Beijing, a cristalização desta constelação de poderes compensatórios significa que em breve terá que decidir se vai jogar os dados e lançar uma invasão ou abandonar todas as esperanças de que Taiwan seja algum dia trazido para a RPC, esta última opção sendo impensável para o perspectiva do Partido Comunista Chinês e sua liderança.

Talvez a melhor analogia histórica seja o caso da Alemanha no período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial

A Alemanha não entrou em guerra contra a França, a Rússia e a Grã-Bretanha em 1914 porque seus líderes acreditavam que poderiam facilmente alcançar a preeminência europeia derrotando rapidamente a França e a Rússia e, em seguida, intimidando a Grã-Bretanha para que aceitasse a hegemonia alemã. Em vez disso, a Alemanha começou deliberadamente a guerra europeia para evitar ser ultrapassado pela Rússia.

Os planejadores militares alemães viram uma Rússia crescendo demograficamente, desenvolvendo-se industrialmente e construindo o tipo de infraestrutura ferroviária e rodoviária necessária para uma rápida mobilização em tempo de guerra. E isso os aterrorizou. Na verdade, isso os aterrorizou a tal ponto que eles determinaram que precisavam desencadear uma guerra mais cedo ou mais tarde, porque mais cedo eles poderiam ter alguma chance de derrotar a Rússia e seus aliados, enquanto mais tarde seriam simplesmente esmagados por eles.

Os paralelos com a China, se não exatos, são óbvios. O crescente poder relativo dos adversários de Beijing significa que ela tem todos os incentivos para invadir Taiwan assim que tiver os meios para fazê-lo, mesmo que o sucesso esteja longe de ser certo, em vez de esperar, pois assim a derrota está quase garantida.

A decisão alemã de atacar a França através da Bélgica em 1914 foi governada por uma lógica semelhante. Na verdade, foi um lance de dados – uma “grande aposta”, como disse um historiador. E os resultados foram catastróficos, não apenas para a Alemanha, mas para o mundo inteiro.

Esperemos que a história não se repita – e certamente não como uma tragédia.

*professor de relações internacionais no Macalester College, em St. Paul, Minnesota, Estados Unidos