Chinês que revelou segredos da Huawei está preso no Reino Unido e jura inocência

Wang Yam revelou a ameaça que a empresa representaria na futura rede 5G. Condenado por homicídio, está preso desde 2009.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Wang Yam, um cidadão chinês que vive no Reino Unido desde 1992 e atuava como informante do MI6, o serviço de inteligência estrangeira do Reino Unido, teria revelado a políticos locais inúmeros segredos da empresa de telecomunicações Huawei, vista com desconfiança por governos ocidentais devido a seu vínculo com Beijing. Atualmente, Wang cumpre pena por um homicídio que diz não ter cometido, se diz abandonado pela inteligência britânica e luta para provar sua inocência. As informações são do jornal The Guardian.

A contribuição de Wang, ao revelar os segredos e riscos que a Huawei representa, gerou agradecimentos de políticos britânicos, segundo os quais as informações fornecidas por ele compreendem “várias áreas importantes de preocupação”. A história do informante vem à tona em um momento de preocupação crescente do Reino Unido com a China, que teria supostamente infiltrado uma agente no Parlamento. Em outro incidente recente, o diretor de comunicações do primeiro-ministro Boris Johnson, Guto Harri, foi acusado de fazer lobby para evitar que a Huawei fosse banida.

Wang era pesquisador no instituto de armamento nuclear da China, país do qual fugiu via Hong Kong, tendo recebido o status de refugiado em 1992. Posteriormente, foi recrutado para servir ao MI6 como informante, tendo a missão de acompanhar cidadãos chineses a serviço da Embaixada do país em Londres. Atualmente, o informante está preso na Inglaterra, condenado em 2009 por um homicídio que alega não ter cometido. E se diz abandonado pela inteligência britânica.

Prédio da Huawei no Canadá (Foto: Raysonho/Wikimedia Commons)

No ano passado, Wang entrou em contato com o Comitê de Segurança e Inteligência (ISC, na sigla em inglês) do Parlamento britânico. Também contatou uma série de figuras importantes da política local. O objetivo: enviar documentos destacando seu conhecimento a respeito da Huawei e os potenciais riscos que a empresa representaria para o Reino Unido caso tivesse participação na futura rede 5G, da qual foi banida.

Julian Lewis, membro do Parlamento pelo Partido Conservador e líder do ISC, enviou uma carta em resposta a Wang. “Você discute várias áreas importantes de preocupação em relação à influência da China em geral e da Huawei em particular na infraestrutura de telecomunicações e no setor público do Reino Unido”, diz ele na carta. “Como você deve saber, o ISC está atualmente conduzindo uma investigação sobre as questões de segurança nacional relacionadas à China”.

Homicídio

Wang foi condenado por assassinar em 2006 o escritor e fotógrafo Alan Chappelow, à época com 86 anos. A polícia chegou ao acusado depois de alertada por um banco sobre transações incomuns na conta da vítima. Um cartão de crédito de Chappelow, usado após o crime, levou a Wang. O julgamento, em 2008, foi inexplicavelmente cercado de mistério para um homicídio.

Conforme a teoria da acusação, Chappelow teria acusado Wang de roubar cartas e informações bancárias da caixa de correio. O réu, então, teria entrado na casa da vítima e cometido o homicídio. Incialmente, a sentença cobriu apenas os crimes de roubo e fraude, sem chegar a um veredito por homicídio. Posteriormente, um segundo julgamento determinou uma pena não menor do que 20 anos de reclusão pelo assassinato.

Em 2014 surgiram novas evidências que poderiam levar à absolvição de Wang. Um vizinho de Chappelow, por exemplo, disse que foi ameaçado por um homem perto da antiga casa da vítima, quando o acusado já cumpria pena. Outra testemunha disse que o escritor, no dia do crime, foi visto deixando uma casa noturna local na companhia de outro homem mais jovem. Pegadas e pontas de cigarro que não eram de Wang, localizados na casa da vítima, reforçam a teoria de que outra pessoa cometeu o crime.

O advogado de Wang apelou, mas o pedido foi rejeitado pela Justiça. Agora, a esperança reside em eventuais testes de DNA que levem àquele que, segundo o acusado, é o verdadeiro criminoso.

Por que isso importa?

Há uma desconfiança global que recai sobre a Huawei, baseada em teorias sobre sua proximidade com o governo chinês. Autoridades ocidentais citam a Lei de Inteligência Nacional da China, de 2017, segundo a qual as empresas nacionais devem “apoiar, cooperar e colaborar com o trabalho de inteligência nacional”, o que poderia forçar particularmente a gigante da tecnologia a trabalhar a serviço do Partido Comunista Chinês (PCC).

Em 2020, parlamentares britânicos afirmaram em um relatório que a Huawei está “fortemente ligada ao Estado e ao PCC, apesar de suas declarações em contrário”. Diante disso, a empresa tem enfrentado crescente desconfiança na construção de redes 5G em todo o mundo, com a implantação rejeitada em vários países. Austrália, Nova Zelândia, Portugal, Índia, EUA e Reino Unido baniram a infraestrutura da companhia por medo de ser usada para espionagem.

As especulações referentes aos produtos de vigilância da Huawei ganharam força no final de 2021 em meio a temores na China e no mundo sobre as consequências do uso maciço do reconhecimento facial e de outros métodos de rastreamento biométrico. E, ao mesmo tempo em que o PCC continua a confiar em tais ferramentas para erradicar a dissidência e manter seu regime de partido único, ele alerta sobre o uso indevido de tecnologias no setor privado.

Em 2021, após pressão de Beijing, a Huawei e outros gigantes da tecnologia foram compelidas a não abusar do reconhecimento facial e de outras ferramentas de vigilância, após uma nova lei de proteção de dados pessoais entrar em vigor. Mas o veto vale apenas para o setor privado. No setor público, o jornal The Washington Post revelou em dezembro que a ligação da Huawei com o aparato chinês de vigilância governamental é maior que o imaginado.

Os dados aparecem em uma apresentação de Power Point que estava disponível no site da empresa e foi removida. Repleto de itens “confidenciais”, o arquivo mostra como a tecnologia da empresa pode ajudar Beijing a identificar indivíduos por voz, monitorar pessoas de interesse, gerenciar reeducação ideológica, organizar cronogramas de trabalho para prisioneiros e rastrear compradores através do reconhecimento facial.

Tags: