Xi Jinping resolveu deixar de ser bonzinho

Artigo analisa as razões que levaram a China a aceitar um líder centralizador que tende a se eternizar no poder, após décadas fazendo o oposto
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal Bangor Daily News

Por Gwynne Dyer

Mais de 200 policiais de Hong Kong invadiram e fecharam um dos últimos sites de notícias pró-democracia em Hong Kong na quarta-feira passada (29), no último sinal de que o regime de Beijing não tolerará mais dissidência de qualquer tipo. Foi um exagero total – alguns policiais com uma ordem judicial teriam bastado -, mas eles estavam “enviando uma mensagem” para outros “descontentes”.

O secretário-chefe de administração, John Lee, defendeu a operação policial (que também prendeu os atuais e ex-editores e membros do conselho em suas casas) em um fluente newspeak orwelliano: “Qualquer pessoa que tente usar o trabalho da mídia como uma ferramenta para cumprir seus objetivos políticos infringe a lei. Eles são os elementos do mal que prejudicam a liberdade de imprensa”.

Não é apenas Hong Kong: toda a China está se fechando. A liberdade de expressão limitada e a tolerância à dissidência que prevaleceu por vinte anos sob os predecessores do presidente Xi Jinping, Jiang Zemin e Hu Jintao, foram sistematicamente erodidas, e Xi agora é efetivamente presidente vitalício.

Ele até incentiva o culto à personalidade, algo que o Partido Comunista Chinês (PCC) conseguiu evitar desde a catástrofe do presidente Mao tsé-Tung. E não há mais luva de veludo na mão de ferro: grupos étnicos arrogantes como os tibetanos e uigures são simplesmente oprimidos por maiorias importadas de chineses han, e aqueles que reclamam são enviados para campos de concentração.

É o mesmo no exterior. Diplomatas “guerreiros lobos” repreendem os países estrangeiros em que atuam por qualquer crítica à China, e o esmagamento das liberdades de Hong Kong sinaliza o abandono de qualquer noção de seduzir Taiwan à unificação sob a bandeira de “um país, dois sistemas”. Quando chegar a hora, será anexado à força.

Xi Jinping resolveu deixar de ser bonzinho
Xi Jinping, presidente da China (Foto: Wikimedia Commons)

Mas a questão é: por que agora? A personalidade de Xi é autoritária, com certeza, mas isso é bastante normal entre os “príncipes” que cresceram como parte da aristocracia comunista de segunda e terceira geração. Ainda assim, por décadas eles apoiaram limites de mandatos na liderança porque isso os protegia de serem vitimados por outra figura de Mao.

Se agora aceitam a elevação de Xi ao poder supremo e perpétuo, não pode ser apenas porque têm medo dele. Ele é apenas um homem. Também deve haver algum senso entre outros na liderança do partido de que será necessário um autocrata duro para enfrentar as tempestades que se avizinham e preservar seu governo. Então, que tempestades podem ser essas?

Ficou evidente por anos que Beijing estava engordando e exagerando a taxa de crescimento econômico da China.

Ficou óbvio, a partir de exemplos anteriores, em que os países em industrialização desfrutaram de altas taxas de crescimento, explorando mão de obra barata que inundava as cidades vindas do campo, que esse era um bônus único. O crescimento de 10% nunca dura mais de uma geração; então volta ao “normal” de 2% a 3%. Exemplos recentes são o Japão (1955-85) e a Coreia do Sul (1960-90).

Goste ou não, a China teve seus 30 anos de crescimento acelerado (1985-2015) e, por trás de uma fachada de mentiras, sua taxa real de crescimento já vem caindo há pelo menos meia década. Nos últimos trimestres, de fato, o Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu à metade da taxa do PIB norte-americano.

A taxa de natalidade chinesa entrou em colapso: cada nova faixa etária que entra na força de trabalho será muito menor do que a anterior, o que afetará muito a demanda. Além disso, a dívida incorrida pelo excesso de investimento imprudente em habitação, estradas e outras infraestruturas, apenas para manter as estatísticas de emprego e crescimento altas, já é um grande fardo para a economia.

Duas implicações disso são as ameaças de longo prazo ao governo comunista na China. A promessa do Partido de superar a economia dos EUA e fazer da China a potência dominante mundial provavelmente nunca se cumprirá, nem tampouco sua promessa de elevar os padrões de vida chineses a um nível de mundo desenvolvido (o PIB per capita atual é de apenas US$ 9 mil).

Se o Partido Comunista não pode cumprir essas duas promessas, o que lhe dá o direito de monopolizar o poder político na China? Certamente também não está cumprindo sua velha promessa de igualdade.

Não é à toa que Xi Jinping está fechando as portas politicamente, e não é à toa que a nomenklatura (para usar a antiga palavra soviética) está concordando com isso. A estagnação o aguarda.

Tags: