Na Síria, 200 funcionários da ONU que combatiam Covid-19 foram infectados

Número real de infectados pode ser ainda maior; funcionários conviviam com centenas de ONGs no combate à Covid-19
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Mais de 200 funcionários da ONU (Organização das Nações Unidas) responsáveis por controlar a pandemia na Síria acabaram se infectando com o vírus, informou a Reuters no domingo (6).

Alguns chegaram a ser hospitalizados e três foram retirados do país, disse o coordenador humanitário da ONU na Síria, Imran Riza, em uma carta. No documento, Riza pedia ajuda e um centro médico para tratamento.

Um dos funcionários infectados, no entanto, disse à Reuters que o número real de infectados pode ser ainda maior. O vírus se espalhou às centenas de terceirizados que trabalham para agências da ONU no país, apontou a fonte.

Na Síria, 200 funcionários da ONU que combatiam Covid-19 foram infectados
Funcionários da ONU durante monitoramento a cidade de Homs, na Síria, em abril de 2012 (Foto: UN Photo/Neeraj Singh)

A Síria registrou forte aumento dos contaminados desde julho. Com altos índices de subnotificação, o país tem 3,2 mil casos confirmados e 137 mortes em decorrência da doença causada pelo coronavírus, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, nos EUA, nesta terça (8).

Em trégua após nove anos de guerra, a Síria vive agora uma das maiores crises sociais e econômicas da sua história. Sem infraestrutura, há forte limitação no acesso a suprimentos médicos.

Nas últimas semanas, dezenas de profissionais da saúde morreram. A situação é mais grave na região sul da capital, Damasco, que possui o maior volume concentrado de casos.

Tags: