Democracia no Mundo

Após protestos, Comissão Eleitoral da Geórgia abre espaço para oposição

Polícia usou canhões de água para barrar manifestantes desde domingo (8); oposição nega vitória do partido governista

A Comissão Eleitoral da Geórgia, pequena ex-república soviética no Cáucaso, se colocou a disposição para discutir a contagem de votos com membros da oposição nesta segunda (9) após novos protestos na capital Tblisi, informou o portal georgiano Agenda.

A decisão vem após uma série de manifestações violentas que terminaram com truculência policial. Assim como no domingo (8), a polícia usou canhões de água para dispersar os protestos. Duas pessoas ficaram feridas, registrou a Radio Free Europe.

Descontentes com os resultados parciais das eleições parlamentares realizadas ainda no dia 31, manifestantes pedem que a Comissão Eleitoral realize novas eleições e que novos integrantes substituam o grupo atual.

Após protestos, Comissão Eleitoral da Geórgia abre espaço a oposição
Manifestantes em frente ao prédio da Comissão Eleitoral da Geórgia, na capital Tblisi, no último domingo (8) (Foto: Agenda/Nino Alavidze)

De acordo com a Comissão, os protestos geram “pressão e não passam de tentativas de interferência na Administração Eleitoral. O órgão afirma que o processo das eleições ainda não acabou e, por ora, só haverá a divulgação dos resultados preliminares.

“Nesta fase, vários processos legais estão em andamento”, diz a nota. “Algumas das parciais já estão finalizadas, outras estão sendo recalculadas em alguns dos distritos e por isso ainda não há veiculação dos resultados”.

Acusação de fraude

A oposição da Geórgia alega fraude no pleito através de agências estatais e grupos criminosos. Até agora, a contagem parcial aponta uma vitória de mais de 50% do partido governista Sonho Georgiano.

De acordo com observadores da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), as eleições foram, em sua maioria, “competitivas e livres”.

Fatores pré-eleitorais, no entanto, prejudicam o total apoio ao pleito, como uma mídia estatal “visivelmente partidária”, apontou a OSCE. A pequena nação ao sul do Cáucaso deve realizar o segundo turno do pleito no dia 21.

Autoridades da polícia georgiana afirmaram que os canhões de água só foram utilizados após os manifestantes tentarem invadir o prédio da Comissão Eleitoral.