UE mobiliza punição a Turquia por investidas no Mediterrâneo grego

Com punição, Turquia pode ser perder negociação para integrar o bloco; líderes se reunirão na próxima sexta (2)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os líderes das 27 nações da UE União Europeia devem se reunir na próxima sexta (2) para votar uma punição à Turquia. Alertado sobre ações ilegais, o país tenta explorar águas territoriais da Grécia e de Chipre.

A reunião aconteceria nesta sexta (25), mas foi postergada devido a quarentena do presidente do Conselho.

impasse sobre a extensão das águas territoriais que separam Ancara e Atenas já dura 20 anos, observou a revista “Foreign Policy”. A Grécia leva vantagem por contar com uma vasta rede de ilhas próximas a seu território.

UE mobiliza punição a Turquia por insistência em águas gregas
O presidente da França, Emanuel Macron, durante seminário da União Europeia na Estônia, em setembro de 2017 (Foto: UE/Arno Mikkor)

Reunidos no último dia 10 pela aliança EuroMed7 – França, Espanha, Itália, Malta, Portugal, Grécia e Chipre –, o presidente francês Emmanuel Macron, pediu a punição de Ancara.

Os turcos ignoraram a ordem de retirada das embarcações com sua bandeira que navegavam sem autorização em águas gregas.

Se todos os Estados-membros concordarem, as negociações para a integração da Turquia na UE podem ser suspensas de forma permanente. As conversas foram paralisadas em 2018.

Decisão da Itália

Não há consenso entre os membros da cúpula. A Itália, tradicional concorrente da França no Mediterrâneo, é o principal defensor da inclusão da Turquia na bloco europeu.

Além dos italianos, Espanha e Malta também se opõem à total exclusão da Turquia no Mediterrâneo.

Uma mudança de opinião vinda de Roma poderia ser crucial para o cumprimento ou não das punições à Turquia.

No pós-Brexit, a Itália busca ocupar o espaço deixado pelo Reino Unido na liderança informal do bloco, com Alemanha e França.

Tags: