Américas

Congressistas pedem que EUA apoiem Taiwan para se tornar membro da ONU

Scott Perry e Tom Tiffany pedem que embaixadora do país use “a voz, o voto e a influência dos Estados Unidos para garantir a ascensão de Taiwan”

Dois congressistas norte-americanos, os republicanos Scott Perry e Tom Tiffany, manifestaram apoio para que Taiwan seja reconhecido como membro da ONU (Organização das Nações Unidas). As informações são do jornal taiwanês Taipei Times.

A dupla enviou uma carta à embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, na qual manifestam apoio à causa e pedem que ela também colabore usando “a voz, o voto e a influência dos Estados Unidos para garantir a ascensão de Taiwan”.

Tiffany postou a carta integralmente em sua conta no Twitter. O documento cita que a economia de Taiwan está muito próxima das 20 maiores do mundo e que o território é o décimo maior parceiro comercial dos EUA no setor de bens, além de líder global na indústria de semicondutores e “mantém laços sólidos com prestigiosas instituições de pesquisa médica em todo o mundo”.

Na carta, os congressistas citam diversas vezes a China, que trata Taiwan como parte do seu território e constantemente contesta a aproximação com os Estados Unidos. Nas palavras dos congressistas, “está além do limite permitirmos que nosso medo da República Popular da China (RPC) dite nossa política externa e permita que o órgão da ONU – dominado pela influência do Partido Comunista Chinês – rejeite repetidamente os pedidos de Taiwan para formalmente aderir à ONU”.

O Partido Comunista Chinês (PCC) enxerga Taiwan como parte de seu território, embora não tenha qualquer controle formal sobre a ilha. E tem aumentado o tom diante da reivindicação de independência, inclusive com ameaças expressas de usar força militar caso seus interesses sejam contrariados.

Por que isso importa?

Taiwan é uma questão territorial sensível para os chineses. Relações exteriores que tratem o território como uma nação autônoma estão, no entendimento de Beijing, em desacordo com o princípio defendido de “Uma Só China“, que também encara Hong Kong como território chinês.

Congressistas dos EUA manifestam apoio para que Taiwan torne-se membro da ONU
Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, assume segundo mandato apesar de oposição chinesa (Foto: Twitter/Reprodução)

Diante da aproximação do governo taiwanês com os Estados Unidos, a China endureceu sua retórica contra as reivindicações de independência da ilha autônoma no ano passado e as tensões geopolíticas escalam com rapidez na região.

Jatos militares chineses passaram a realizar exercícios militares nas regiões limítrofes com Taiwan, enquanto Beijing deixou claro que não aceitará a independência do território “sem uma guerra”.

embate, porém, pode não terminar em confronto militar, e sim em um bloqueio total da ilha. É o que apontaram relatórios produzidos pelos EUA e por Taiwan em junho, de acordo com o site norte-americano Business Insider.

O documento, lançado pelo governo taiwanês no ano passado, pontua que Beijing não teria capacidade de lançar uma invasão em grande escala contra a ilha. “Uma invasão provavelmente sobrecarregaria as forças armadas chinesas”, concordou o relatório do Pentágono.

Caso ocorresse, a escalada militar criaria um “risco político e militar significativo” para Beijing. Ainda assim, ambos os documentos reconhecem que a China é capaz de bloquear Taiwan com cortes dos tráfegos aéreo, naval e das redes de informação.