Hegemônico desde 1991, partido conservador leva nova eleição na Croácia

A participação eleitoral dos croatas foi de 46%, a mais baixa desde a independência do país, há 29 anos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O partido conservador União Democrática Croata foi reeleito nas eleições parlamentares deste domingo (5). No poder quase sem interrupção desde a independência em 1991, o HDZ conquistou 66 das 151 cadeiras do parlamento da Croácia, segundo informações da Al-Jazeera.

O primeiro-ministro Andrej Plenkovic comemorou a vitória, apontando “um grande resultado e uma grande vitória”. A participação eleitoral foi de 46%, a mais baixa desde a independência do país.

Partido conservador é reeleito na Croácia
Andrej Plenkovic é o atual primeiro-ministro da Croácia (Foto: Reprodução/Twitter)

As eleições ocorreram diante de um novo pico do coronavírus no país. A Croácia registrou até esta segunda (6) 3,1 mil casos confirmados da doença e 113 óbitos, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

A piora no número de casos ocorreu após a flexibilização das regras de bloqueio para conter o vírus e a reabertura das fronteiras. Desde então, o país recebe cerca de 40 mil turistas por dia, segundo o EU Observer.

No país de 4,2 milhões de pessoas, cerca de 3,8 milhões estavam aptas para votar. Os eleitores foram aconselhados a usar máscaras, tirar a própria temperatura e ficar longe de zonas eleitorais caso estivessem com febre.

O governo terá de controlar os impactos econômicos da pandemia, com estimativas apontando retração de 10% na economia croata neste ano. O turismo, setor duramente afetado pela pandemia e uma das principais fontes de renda do país, deve registrar queda de 70% em 2020.

Desempenho

Uma aliança liderada pelo liberal Partido Social Democrata, principal sigla da oposição, ficou em segundo lugar, conquistando 41 cadeiras. O líder do partido, Davor Bernardic, deve renunciar o cargo.

O terceiro melhor resultado foi conquistado pelo novo partido nacionalista, liderado pelo cantor popular Miroslav Sekoro, conhecido por comentários misóginos e xenófobos. A sigla conquistou 16 cadeiras.

Um novo partido verde de esquerda chamado Mozemo veio em seguida, com sete cadeiras.

Tags: