Premiê do Paquistão sofre ‘fritura’ de militares após atuação frágil na crise

Crise após coronavírus acelerou insatisfação das Forças Armadas, que já cobravam solução na Caxemira
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, têm sido escanteado pela poderosa classe militar do país, após o que foi considerada uma atuação hesitante na resposta ao novo coronavírus. A informação é do jornal britânico “Financial Times”.

A frieza em relação a Khan começou ainda em março. No dia 22, o premiê anunciou que não haveria confinamento no país, onde 71% da população de 200 milhões vive de trabalhos informais, segundo dados do Banco Mundial.

Menos de um dia depois, o major-general Babar Iftikhar, porta-voz dos militares, desautorizou o presidente. O confinamento foi iniciado com supervisão das Forças Armadas, que espalhou tropas por todo o país e coordena a articulação com governos provinciais.

Premiê do Paquistão sofre 'fritura' de militares após atuação frágil na crise
O primeiro ministro do Paquistão, Imran Khan (Foto: Remy Steinegger/Fórum Econômico Mundial)

Segundo o diário britânico, a intenção dos militares é evidenciar diferenças no tratamento à crise do coronavírus. Khan foi ridicularizado nas últimas semanas depois que convocou jovens a “fazer a jihad” contra a pandemia.

O primeiro-ministro tem desagradado os militares, que apoiaram sua eleição em 2018, pela incapacidade de oferecer soluções para problemas como o pleito pela Caxemira, pendência antiga na fronteira com a Índia.

Khan também não soube convencer a comunidade internacional a retomar o envio de recursos para o país, considerado em 2018 pouco eficiente para impedir atividades terroristas.

O Paquistão tem 11 mil casos confirmados e 237 mortes pelo novo coronavírus. O país sofre de subnotificação dos casos da doença, segundo especialistas consultados pelo FT.

Neste ano, a expectativa é a de que o PIB (produto interno bruto) do país caia 1,5%.

O país deve ser o primeiro entre as economias emergentes de maior porte a aderir à iniciativa de alívio no pagamento de dívida externa capitaneada pelo G20.

Tags: