África

Macau, ex-colônia portuguesa na China, sedia festival de lusófonos

No território, próximo a Hong Kong e devolvido aos chineses em 1999, menos de 5% da população fala português

Agendado para acontecer entre 16 e 18 de outubro, o 23º Festival da Lusofonia, em Macau, na China, terá mudanças em 2020 em razão da pandemia de Covid-19.

Desta vez, apenas expositores locais das 11 comunidades lusófonas do mundo deverão participar. A informação é da agência de notícias Lusa.

Desde o início do festival, em 1998, o evento reúne atrações em português de todo o mundo. Com a pandemia da Covid-19, no entanto, o encontro lusófono será restrito a quem já está no território.

Macau, território semiautônomo chinês e ex-colônia portugesa, manterá as medidas de proteção contra a Covid-19 mesmo com poucos casos registrados.

Festival da Lusofonia, em Macau, terá apenas atrações locais em 2020
Referências arquitetônicas e culturais de açorianos e asiáticos se misturam em Macau. Na foto, o Largo da Igreja do Carmo, local onde se realiza o Festival Lusófono desde 1998 (Foto: Pixabay)

Representantes da Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Goa, Damão e Diu, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, além dos macauenses, deverão apresentar danças, artesanato e pratos típicos.

Além disso, o tradicional Desfile Internacional de Macau, previsto para dezembro, também está cancelado. O evento reúne vários grupos internacionais da cultura lusófona.

Ainda que o território vizinho a Hong Kong tenha pertencido a Portugal até 1999, menos de 5% da população fala português.