Artigos

Vinte anos de contraterrorismo: o mundo tem ficado mais seguro?

Artigo analisa a evolução no combate ao terrorismo e alerta para os novos perigos, sobretudo a extrema direita que ameaça os EUA e seus aliados

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Defense Post

Por Elena Pokalova*

A Guerra Global ao Terror custou aos contribuintes americanos mais de US$ 8 trilhões. Quase 1 milhão de pessoas perderam a vida nas zonas de guerra pós-11 de setembro.

Nos últimos 20 anos, os EUA confiaram em intervenções militares no exterior e experimentaram técnicas aprimoradas de interrogatório. Prestaram assistência de segurança a parceiros e exploraram programas para prevenir e combater o extremismo violento. Partiram de uma postura linha-dura de não simpatizar com terroristas para outra, antagônica, de negociar com o Taleban.

Mas todas essas medidas, programas e intervenções nos deixaram mais seguros contra a ameaça terrorista?

Contraterrorismo no Afeganistão

Se você olhar para o Afeganistão, as conquistas norte-americanas podem parecer um tanto desoladoras. O Taleban está de volta ao poder e, à medida que o grupo revelava seu novo governo, o mundo viu uma série de cargos preenchidos por indivíduos na Lista de Sanções da ONU (Organização das Nações Unidas).

Mohammad Hassan Akhund, um associado próximo de Mulá Omar, foi nomeado primeiro-ministro, enquanto Sirajuddin Haqqani, filho do fundador da Rede Haqqani, que é uma organização terrorista estrangeira designada nos EUA, se tornou o novo ministro do Interior. Indivíduos ligados a atividades terroristas não estão apenas andando em liberdade, mas também obtendo acesso ao poder no governo do Taleban.

A Al-Qaeda está exultante com o retorno do Taleban ao poder. Em um comunicado, felicitou o Taleban: “Esta vitória demonstrou do que a nação islâmica é capaz quando se une, pega em armas e luta no Caminho de Alá para defender sua religião, suas santidades, suas terras e riquezas. Esses eventos provam que o Caminho da Jihad é o único caminho que leva à vitória e ao fortalecimento”.

Militares dos EUA em Bagram, maio de 2002: base foi esvaziada em julho de 2021 (Foto: The U.S. National Archives)

De acordo com estimativas da ONU, a Al-Qaeda continua presente em pelo menos 15 províncias afegãs, com a rede Haqqani sendo o principal elemento de ligação entre o grupo e o Taleban.

Uma preocupação urgente hoje é que a Al-Qaeda se tornará mais poderosa usando o refúgio seguro do Afeganistão sob o Taleban mais uma vez. Afinal, apesar dos reveses pós-11 de setembro, a Al-Qaeda permaneceu forte. Aproveitou a Primavera Árabe e se beneficiou do tumulto que se seguiu na região, especialmente na Síria, onde veio a competir com o Estado Islâmico (EI).

Além disso, o desejo do grupo de atacar os EUA não diminuiu. Em 2019, o braço da Al-Qaeda no Iêmen reivindicou o ataque terrorista à base naval dos EUA em Pensacola, Flórida. De acordo com a avaliação do FBI, os propagandistas da Al-Qaeda continuam a buscar inspirar ataques semelhantes contra os Estados Unidos e seus aliados.

Estado Islâmico (EI)

Semelhante à Al-Qaeda, o EI também comemorou a retirada dos EUA da região, embora de uma maneira diferente. O EI considerou a saída sua própria vitória, o que sem dúvida elevou o perfil do grupo entre os círculos jihadistas. Além disso, os apoiadores do grupo comemoraram a explosão mortal fora do aeroporto de Cabul, reivindicada pelo Estado Islâmico-Khorasan.

Semelhante à Al-Qaeda, o EI se recusa a ser derrotado. Depois de perder seu último reduto em Baghuz em 2019, o EI conseguiu se recuperar e continua a representar uma ameaça para os EUA. De acordo com o Conselho de Segurança da ONU, o grupo “evoluiu para uma insurgência entrincheirada” e mostrou “resiliência apesar da forte pressão antiterrorismo das autoridades iraquianas”.

Manteve o número de membros com 10 mil combatentes na Síria e no Iraque e continuou a espalhar propaganda online. Nos Estados Unidos, essa propaganda pode chegar àqueles que se inspiraram no EI, mas não tiveram a oportunidade de viajar para a Síria e o Iraque. Esses aspirantes a lutadores estrangeiros são virtualmente impossíveis de rastrear, mas podem atacar esporadicamente, assim como Kujtim Fejzulai fez na Áustria quando disparou um tiroteio em Viena.

Homenagem às vítimas do atentado de Viena em novembro de 2020 (Foto: Bwag/Commons)

Ressurgimento da extrema direita

Para aumentar a lista de ameaças persistentes, os Estados Unidos agora estão enfrentando um ressurgimento do terrorismo de extrema direita. O país tem estado tão ocupado tentando lutar contra os jihadistas no exterior que não notou as bandeiras vermelhas em casa, indicando que o terrorismo doméstico de extrema direita está aumentando.

Hoje, o terrorismo de extrema direita representa uma ameaça maior nos Estados Unidos do que o terrorismo jihadista vinculado ao estrangeiro. Extremistas de direita foram particularmente encorajados pelos eventos de 6 de janeiro de 2021.

Como advertiu o diretor do FBI, Christopher Wray, o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos poderia servir como “uma inspiração para uma série de extremistas terroristas”. A disponibilidade de propaganda online e as leis relaxadas sobre armas tornam esse ambiente particularmente combustível para a proliferação de ataques de extrema direita.

Fracassamos no contraterrorismo?

Em 2001, tínhamos que nos preocupar com um grupo – a Al-Qaeda. Hoje, temos toda uma série de adversários jihadistas, além do retorno de extremistas de direita. Então, falhamos no contraterrorismo?

A resposta não é tão clara. Houve algumas conquistas notáveis ​​na proteção de nossa pátria. Em primeiro lugar, os EUA eliminaram terroristas como Osama bin Laden, Abu Bakr al-Baghdadi e Anwar al-Awlaki.

Em segundo lugar, procedimentos rigorosos de verificação de vistos e listas de exclusão aérea tornam extremamente difícil para terroristas de fora passarem por nossas fronteiras. De acordo com um estudo de 2018 sobre os efeitos da reforma da triagem, a taxa de falha na verificação foi de “1 para cada 379 milhões de vistos ou aprovações de status de 2002 a 2016”.

Terceiro, as medidas para conter o financiamento de atividades terroristas complicaram muito as transferências ilícitas de fundos. Se antes de 11 de setembro os terroristas faziam uso de fundações de caridade como a Benevolence International Foundation ou a Global Relief Foundation, hoje eles podem, na melhor das hipóteses, contar com sistemas financeiros informais, como a rede hawala.

Membros do grupo jihadista Estado islâmico no Grande Saara: perdas financeiras comprometem ações terroristas (Foto: Divulgação)

Conquistas no contraterrorismo

Talvez a conquista mais notável no contraterrorismo tenha sido o fato de os EUA terem evitado uma repetição de 11 de setembro. Os ataques terroristas contemporâneos nos EUA são pálidos em comparação com 11 de setembro: eles são pequenos em escala, raramente orquestrados do exterior e principalmente perpetrado por um único indivíduo, os chamados lobos solitários. A grande maioria dos recentes ataques terroristas motivados pelo jihad resultou em mortes na casa de um dígito.

Mohammed Alshamrani matou três pessoas em Pensacola, Sayfullo Saipov matou oito pessoas no ataque de caminhão em Manhattan e muitos outros não conseguiram causar ferimentos fatais. Ataques mais mortais, como na boate de Orlando ou tiroteios em San Bernardino, permanecem raros.

Além disso, os tiroteios em massa dificilmente são representativos dos fracassos do contraterrorismo. Em vez disso, são uma consequência direta das leis sobre armas da América. Seria uma simplificação exagerada declarar que o contraterrorismo pós-11 de setembro foi um fracasso, já que reduzimos o impacto dos ataques terroristas às atividades criminosas cotidianas.

Longo Caminho à Frente

Ao mesmo tempo, os EUA claramente têm um longo caminho pela frente e alguns desafios urgentes a resolver. Precisamos enfrentar os extremistas de direita antes que eles reivindiquem o mesmo número de vítimas ou mais do que a Al-Qaeda fez em 11 de setembro.

Para fazer isso, precisamos transferir as lições de contraterrorismo dos grupos jihadistas para as ameaças internas. Precisamos aplicar designações de terroristas a extremistas de direita, usar as mesmas ferramentas financeiras que usamos contra terroristas internacionais e cortar conexões internacionais de extremistas de direita.

Quando se trata de terrorismo internacional, hoje, mais do que nunca, precisamos de nossos aliados e parceiros. Podemos nunca ser capazes de derrotar a Al-Qaeda e o EI, mas, junto com aliados e parceiros, podemos perturbá-los o suficiente para prevenir o terrorismo em grande escala.

Precisamos aumentar a cooperação internacional em contraterrorismo e exercer um compromisso confiável com aqueles que desejam estar conosco na luta contra o terrorismo. Tal como há 20 anos, o terrorismo continua a ser uma ameaça transnacional e não podemos combatê-lo sozinhos.

*chefe do Departamento de Estudos de Segurança Internacional e professora do College of International Security Affairs, na National Defense University, em Washington. Ela é especialista em questões de segurança, com foco em terrorismo, contraterrorismo e conflito étnico