Diplomacia

Maioria apoia ONU, mas há ressalvas sobre sua eficácia até em países ricos

Pesquisa com cidadãos de 14 países desenvolvidos identificou “dúvida” sobre impactos da ONU na “vida real”

Uma reforma na ONU (Organização das Nações Unidas) foi pauta recorrente na 75ª Assembleia Geral, que ocorreu deste ano. O pedido por mudança está de acordo com a percepção de cidadãos de 14 países desenvolvidos, consultados pela Pew Research Center.

A pesquisa, publicada em 21 de setembro, informou que a maioria dos consultados veem a atuação multilateral como essencial enquanto questiona a eficácia da ONU na prática.

Os dados identificam apoio ao multilateralismo em grande parte dos Estados-membros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Os países do bloco financiam 60% dos orçamentos das Nações Unidas e suas entidades associadas.

Maioria apoia ONU, mas há dúvida sobre eficácia mesmo nos países ricos
Cúpula do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, na Suíça, em setembro de 2015 (Foto: U.S. Mission Photo/Eric Bridiers)

O centro entrevistou cidadãos de países da América do Norte, Europa e Ásia. Com a pandemia, a coleta das percepções da população da América Latina, África, Sul da Ásia e Oriente Médio precisou ser adiada.

Há preocupação com o desempenho da ONU. Enquanto 81% concorda que os países devem agir por uma cooperação global, há dúvida sobre os impactos das ações internacionais na “vida real” das “pessoas comuns”.

Entre os entrevistados, 51% acreditam que a ONU é, sim, eficaz – outros 46% acreditam que não. “Embora a maioria esmagadora acredite que a ONU promova a paz, apenas uma pequena maioria acha que ela lida de forma eficaz com os problemas internacionais”, concluiu o relatório.

A pesquisa também identificou que as pessoas com mais instrução e mais jovens tendem a expressar mais apoio à cooperação internacional. Já partidários de ideologias mais à direita são mais propensos a dizer que seu país deve seguir os próprios interesses.

Nos EUA, definição é política

Outras duas pesquisas, da BWC (Better World Campaign) e Chicago Council, revelam que nos Estados Unidos a maioria apoia o multilateralismo – mas a polarização política interfere na visão sobre as ações da ONU.

À BWC, 85% dos norte-americanos afirmaram que desempenhar um papel ativo nas Nações Unidas é importante. A visão sobre a organização é 64% favorável. Nas diferenças partidárias, 88% dos democratas aprovam a ONU, enquanto 51% dos republicanos a veem de forma negativa.

Os democratas defendem uma abordagem de diplomacia e cooperação internacional Já os republicanos preferem uma perspectiva nacionalista, de autossuficiência e de abordagem unilateral, destacou a pesquisa.

Neste ano, com a pandemia e uma crise que afetou a maior parte das economias do mundo, a ONU busca por iniciativas que lhe garantam o protagonismo nessa abordagem multilateral.

“Nosso guia é atemporal para enfrentar os desafios que partilhamos e para corrigir as fragilidades do mundo”, disse o secretário-geral da entidade, o português António Guterres.