Artigos

O mundo está farto da beligerância da China

Artigo mostra que é melhor começar a se opor à China, que cada vez mais tenta controlar as ações do Ocidente sobretudo no que tange a Taiwan

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Atlantic

Por Ben Hickey

Em comunidades de língua chinesa fora do alcance do regime de censura de Beijing, a música Fragile foi um sucesso inesperado. Com mais de 26 milhões de visualizações no YouTube desde que foi ao ar em meados de outubro, a canção de amor satírica ao nacionalismo chinês liderou as paradas do site em Taiwan e Hong Kong, com sua letra zombando da retórica do Partido Comunista Chinês (PCC) sobre Taiwan, ao mesmo tempo em que mira em Xi Jinping e nos censores chineses.

Em partes, o dueto em mandarim retrata Taiwan como um objeto de aberturas indesejadas que simplesmente deseja conviver com uma Beijing hipersensível e agressiva. O refrão segue totalmente aquela pegada “o problema não é você, sou eu”: “Desculpe se sou tão obstinado / A verdade sempre te perturba / Talvez eu não devesse ser tão direto / Me desculpe / Eu te irritei novamente.”

A música, do rapper malaio Namewee e da cantora australiana Kimberley Chen parece ter atingido todas as notas certas para aqueles que se cansam de uma China perpetuamente ofendida e zangada – e resultou na limpeza das contas de mídia social chinesa da dupla.

Em Taiwan, onde muitas estrelas pop ficam fora do tema político para manter o acesso ao lucrativo mercado da China, a canção foi saudada como um refrescante e rara provocação à refutação de seu vizinho gigante à soberania taiwanesa. (Beijing afirma que Taiwan é seu território, embora o PCC nunca o tenha controlado, e os taiwaneses rejeitam totalmente a ideia de unificação.)

No entanto, também é um sinal de algo mais: suas letras e seu contexto refletem as ações das democracias em todo o mundo, que estão se cansando de pisar em ovos para evitar irritar uma Beijing petulante. Em vez de lançar uma música, as autoridades na Europa, Japão e Austrália estão expandindo relacionamentos há muito ignorados com Taiwan. O Ministério das Relações Exteriores da China criticou e ameaçou todos eles, mas ecoando o refrão da música, eles não estão mais tão preocupados como antes em ofender uma Beijing frágil.

Em um movimento que provavelmente irritará Beijing…

A frase acima, que permeia a maioria das reportagens sobre os incontáveis ​​e inconsistentes limites estabelecidos pelo governo chinês, será familiar para qualquer pessoa que tenha lido sobre a China nos últimos anos. O contexto em que agora é usado, no entanto, é marcadamente diferente.

Não muito tempo atrás, o governo chinês era econômico e alvo de sua indignação, normalmente atacando apenas o que até os críticos poderiam considerar como questões importantes do ponto de vista de Beijing, como a reunião do presidente francês Nicolas Sarkozy com o Dalai Lama em 2008 (o PCC considera-o um separatista tibetano), ou o ativista liberal Liu Xiaobo recebendo o Prêmio Nobel da Paz em 2010 (Liu defendeu questões que são anátema para o PCC, como maior liberdade política individual).

“Agora a China só escolhe brigas por arrogância e intimidação”, disse-me Jorge Guajardo, embaixador do México na China de 2007 a 2013. Quando Beijing, imediatamente após a libertação por Ottawa da diretora financeira da Huawei Meng Wanzhou, detida como parte de um caso de extradição, libertou dois canadenses que havia detido e isolado por mais de mil dias, parecia uma mensagem clara ao mundo que a tomada de reféns havia sido adicionada à sua caixa de ferramentas diplomáticas.

Onde a palavra Beijing uma vez evocou a imagem de um poder confiante e ascendente, hoje ela representa uma manivela carrancuda, apontando o dedo, nunca errando, seu fluxo constante de vitríolo diminuindo a eficácia da raiva chinesa. Uma das implicações dessa hiperinflação de sentimentos feridos foi a remoção efetiva do impedimento contra a melhoria das democracias em suas relações não oficiais com Taiwan. Afinal, se a maioria dos movimentos provavelmente irritará Beijing, por que evitar qualquer um deles?

Soldados da China, Beijing, dezembro de 2008 (Foto: Divulgação/Nacho Arenas)

Os Estados Unidos lideram a expansão dos laços com Taiwan, enquanto lutam com uma China cada vez mais espinhosa. Isso começou sob a administração de Trump e continuou sob Joe Biden, que em seu primeiro ano no cargo disse duas vezes que os EUA estão comprometidos em defender Taiwan do ataque chinês. (Nas últimas quatro décadas, os EUA tiveram uma política não oficial de não dizer publicamente como responderia a um conflito China-Taiwan, na esperança de não encorajar nenhum dos lados a iniciar um.)

Dinâmicas semelhantes estão mudando as mentes dos líderes em outras partes do mundo. A Europa oferece um excelente exemplo de como a beligerância de Beijing funcionou contra seus próprios objetivos diplomáticos enquanto, inadvertidamente, impulsionava o perfil internacional de Taiwan.

Focado principalmente em questões econômicas, Bruxelas serviu como um contrapeso confiável para Washington no que diz respeito à política da China. A Europa estava tipicamente menos disposta a ver Beijing como rival ou ameaça estratégica. Isso mudou. Nesta primavera, depois que a China se opôs às críticas da União Europeia (UE) a violações dos direitos humanos em Xinjiang, ao impor sanções a entidades e indivíduos da UE, incluindo cinco membros do Parlamento Europeu, Bruxelas suspendeu um acordo bilateral de investimento com a China.

Os políticos do continente também estão demonstrando maior disposição para se reunir com seus colegas taiwaneses. Na semana passada, Raphaël Glucksmann, um dos atingidos pelas sanções de Beijing, visitou Taipei como parte de uma delegação de parlamentares da UE, chegando semanas depois que ele e seus colegas votaram para melhorar os laços com Taiwan e estabelecer as bases para um acordo bilateral de investimento. (Antes de embarcar em seu voo para Taiwan, Glucksmann tuitou uma selfie no aeroporto, comentando em francês: “Nem ameaças nem sanções vão me intimidar. Nunca. E vou continuar, sempre, ao lado daqueles que lutam pela democracia e pelos direitos humanos. Aí está: estou indo para Taiwan”.)

Vendo uma rara oportunidade de aumentar seu perfil na Europa, Taipé está fazendo o que pode para aproveitar as vantagens. No final de outubro, uma delegação de mais de 60 funcionários e empresários taiwaneses visitou a Lituânia, a Eslováquia e a República Tcheca, assinando uma série de acordos voltados para a tecnologia.

Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, estava agitando o continente, lançando sua pátria como um parceiro na resistência contra a ameaça da China às democracias. Sua turnê incluiu paradas na Eslováquia, República Tcheca e Polônia. Enquanto estava em Praga, que em 2020 se tornou cidade irmã de Taipé depois de encerrar laços semelhantes com Beijing, Wu bebeu cervejas com o presidente do Senado tcheco, que o presenteou com uma medalha. Ele também visitou Bruxelas e, embora suas reuniões não fossem nem de longe tão monumentais quanto a visita secreta de Henry Kissinger à China, que começou o degelo nos laços entre Washington e Beijing, ainda assim representa a viagem de maior perfil de um ministro taiwanês pela Europa desde a democratização de Taiwan nos anos 90.

Raphael Glucksmann, membro francês do Parlamento Europeu, e Tsai Ing-wen, presidente de Taiwan (Foto: reprodução/Twitter)

A visita de Wu também roubou alguns dos holofotes de seu homólogo chinês, Wang Yi, que participou da cúpula do G-20 em Roma. Pouco antes da chegada de Wang, Wu conseguiu uma visita virtual a Roma, falando à Aliança Interparlamentar na China (IPAC, na sigla em inglês), um grupo internacional de parlamentares que defende uma abordagem mais dura para a China.

“A ascensão da República Popular da China, liderada pelo Partido Comunista Chinês, é o desafio definitivo para os Estados democráticos do mundo”, disse Wu. “Isso garante nosso trabalho mais próximo.”

Como fica claro nas várias programações de viagens, muito do alcance de Taiwan se concentrou nos Estados pós-soviéticos, e a Lituânia tem sido o principal deles no fomento da amizade crescente entre a Europa e Taiwan. As diatribes do governo chinês contra Vilnius e as tentativas de punir economicamente o país de 3 milhões de habitantes – um estado membro da UE – nos últimos meses também aumentaram as preocupações em Bruxelas sobre se aproximar demais de Beijing.

“A espionagem do Partido Comunista Chinês, a interferência nos assuntos políticos da Europa e o comportamento coercitivo fizeram com que muitos países ficassem mais cautelosos em relação à China”, disse-me o legislador lituano Matas Maldeikis, que chefiará uma delegação governamental a Taiwan em dezembro. “A situação dos direitos humanos na China e o crescente controle sob Xi Jinping são vistos de forma muito negativa por muitos em nossa sociedade, que ainda se lembra de perseguições semelhantes sob o regime soviético em nosso próprio país”.

Os movimentos eram, como diz o tropo, susceptíveis de irritar Beijing, e de fato, eles fizeram. A recepção calorosa de Wu em Praga, incluindo cervejas, foi um “ato malicioso e provocador”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, acrescentando: “As manobras desprezíveis de alguns indivíduos na República Tcheca estão condenadas ao fracasso. Nós os exortamos a mudar imediatamente de rumo, caso contrário, eles mesmos acabarão engolindo a fruta amarga”.

Integrantes do IPAC durante encontro em Roma, paralelo à cúpula do G-20 na capital italiana (Foto: divulgação/ipac.global/)

Além da Europa, os países da própria vizinhança da China estão começando a abraçar mais abertamente seus laços não oficiais com Taiwan, à medida que se cansam da belicosidade de Beijing. O Japão – que colonizou Taiwan por meio século até o final da Segunda Guerra Mundial – declarou Taiwan um interesse de segurança nacional, e as autoridades de defesa sugeriram que Tóquio interviria, presumivelmente ao lado dos EUA, no caso de um ataque chinês a Taiwan. E a Austrália, que está sujeita à coerção econômica chinesa desde que o primeiro-ministro Scott Morrison pediu uma investigação independente sobre as origens da pandemia global de coronavírus, está começando a desviar o olhar de Beijing para Taipé.

Na Austrália, em particular, a cordialidade com Taiwan está sendo expressa por meio de canais semi-oficiais, bem como pelo público em geral. Pesquisa do Lowy Institute, um think tank com sede em Sydney, indica que os sentimentos positivos em relação a Taipé aumentaram substancialmente no ano passado e, em outubro, o ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott visitou a capital taiwanesa. Embora ele agora seja um cidadão privado, nenhum oficial sênior em Canberra fez qualquer crítica às suas viagens ou ao resto dos comentários em apoio à luta de Taiwan em face da pressão e ameaças chinesas.

Por enquanto, em contraste com o tom agressivo de muitos dentro de Beltway, poucas pessoas em outros lugares estão defendendo abertamente o confronto com a China. No entanto, como Beijing continua a ameaçar os países por não cumprirem suas ordens, isso pode mudar, e a ameaça é particularmente aguda para as sociedades democráticas, de acordo com Maldeikis, o parlamentar lituano.

Kimberley Chen, cantora australiana (Foto: reprodução/Facebook)

“Dado o desejo do Partido Comunista de controlar tudo – de impor sua agenda, de restringir a liberdade de pensamento nos círculos acadêmicos, a infiltração por meio da propaganda -, não se trata de algumas concessões”, ele me disse. “Quanto mais concessões você faz, mais o lado chinês insiste. Se a amizade com a China significa ainda mais submissão, talvez valha mais a pena se opor a ela”.

Descansando em um top curto e jeans em um estúdio no elegante Distrito Leste de Taipé, Chen, uma das artistas por trás de Fragile, lembra com carinho que viveu em Xangai aos 10 anos de idade, quando se apresentou em uma produção local de O Rei Leão. Seus pais queriam um ambiente mais livre para a filha, então, eles mudaram a família para Taipé. Lá, sua carreira decolou: ela gravou um hit aos 17 anos e assinou um contrato com a Sony. Por um tempo, esse tipo de perfil a forçaria – como qualquer artista que espera ter sucesso comercial, quanto mais uma que se apresenta em mandarim – a evitar criticar a China, direta ou indiretamente.

Chen, no entanto, superou essas preocupações. Quando Namewee a abordou com Fragile, ela imediatamente se apaixonou por ele.

“Uma das razões pelas quais eu amo tanto essa música é porque ela não é censurada, não é limitada, não é besteira”, ela me disse. “É completa honestidade. Não é açucarada de forma alguma, e eu sinto que, para mim, realmente representa quem eu sou como pessoa”.

Em seguida, ecoando a crescente fadiga global com a capacidade aparentemente infinita de Beijing de indignação, ela acrescentou: “São, tipo, três minutos dizendo às pessoas:‘ Sim, não posso mais fazer isso’”.